Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Fundação Tíde Setúbal entrevista Tony Marlon.

Quando o jornalista e empreendedor social Tony Marlon, morador do Campo Limpo, bateu na porta de investidores de regiões centrais da cidade para tentar financiar a Escola de Notícias, iniciativa de formação de jovens em comunicação fundada por ele, ouviu que a ideia era muito romântica. "Por mais que a gente tivesse uma lógica de modelo de negócios e fundamentação teórica por trás do projeto, eu tinha dificuldade em entender pra quem eu falava o Paulo Freire e pra quem eu falava o Eike Batista", lembra. Hackear o ecossistema de negócios de impacto, ainda bastante fechado para iniciativas periféricas, foi um dos desafios enfrentados por Tony em sua trajetória.

Hoje, o empreendedor social toca um novo projeto, a Historiorama, focado no direito à comunicação e sua pluralidade. "Democratizar é ter mais gente falando, inclusive via TVs comunitárias, que são incríveis pois conseguem regionalizar o conteúdo. É importante entender a política internacional? É importante. Mas para mim e muitas outras pessoas, nesse momento é mais importante entender onde tem alimentação orgânica no Campo Limpo. E hoje isso é difícil, pelas redes sociais os algoritmos não deixam. Eu só consigo fazer isso com a comunicação comunitária", afirma.

Leia na entrevista a seguir como Tony pretende facilitar o entendimento de editais públicos e privados e levar mais informações para pessoas atualmente em um deserto de notícias com seu novo projeto Historiorama, que conta com apoio do Fundo Zona Leste Sustentável, iniciativa criada pela Fundação Tide Setubal.

Como teve início a sua relação com os negócios de impacto social?

Passei minha infância no Projeto Arrastão, que conheci quando me mudei para São Paulo. Comecei a fazer cursos lá em 2001. foi quando soube que existiam ONGs. Em Salinas (Minas Gerais), onde nasci, não se falava disso. Lá dentro, fui entrando nesse universo da comunicação. Passei por todas as etapas do Projeto, fui aluno de diversos cursos, jovem aprendiz, estagiário, coordenador de área, e participei da criação do Núcleo de Comunicação Maré Alta, em 2007.

Sai alguns anos depois, com a vontade de entender por que os projetos sociais não tinham uma lógica de mobilização de recursos. Pensava que deveria ter algum jeito de tocar os projetos sem depender de fundos governamentais e coisas do gênero. Foi aí que fiquei sabendo sobre os negócios sociais, fui pro Geração MudaMundo, uma plataforma de empreendedorismo social juvenil criada pela Ashoka, e a partir disso falei "nossa, é isso! Não vou criar um projeto social, vai ser outra coisa. Algo que faz entregas para o território e mobiliza recursos". Fiz faculdade, conheci diversos projetos e, nesse meio, fui entendendo que tinha espaço para eu fazer alguma coisa que desenvolvia econômica e socialmente o território, e ao mesmo tempo gerava trabalho e renda para a gente. Em 2012, desenhei a metodologia da Escola de Notícias e, no ano seguinte, botamos no ar a primeira turma. Fiquei na Escola até 2016, que era o tempo que eu havia combinado ficar.

Por que você optou por sair da Escola de Notícias?

Eu acho que a função de um projeto social é acabar. Quando construímos a Escola de Notícias, falei que ficaríamos 3 ou 4 anos, construiríamos um conselho comunitário e poderíamos sair da posição de gestores. quando nos mantemos muito tempo na gestão de um projeto, começamos a achar que o que acreditamos é a verdade, as opiniões ficam meio viciadas. Tanto é que o estatuto da Escola de Notícias diz na segunda cláusula que ela só vai existir até 2024. São dez anos de existência, acompanhados de um plano de metas, justamente para que as pessoas que vão geri-la posteriormente entendam que o compromisso não é continuar existindo, mas erradicar ou minimizar as questões que tínhamos que resolver. Colocar uma data de término é uma forma de criar um senso de urgência na organização. Quando eu saí teve uma eleição. Dos sete dirigentes eleitos pelo conselho, seis são ex-alunos da Escola.

No seu percurso para empreender, quais os maiores desafios que identificou para criar um negócio social na periferia?

Enquanto eu circulava apenas pelo Campo Limpo fazendo articulações, conseguimos sustentar nosso primeiro modelo de negócios, com apoio do edital do Programa Vai e outros recursos públicos. Um dos grandes desafios aconteceu quando sai da região e fui conversar com o restante da cidade. A Escola de Notícias já tinha sido tema da Folha, estávamos entre os finalistas do prêmio Milton Santos, mas, apesar de vários reconhecimentos, os investidores de fora da periferia não acreditavam no projeto. Lembro que um deles falou "Tony, eu acho muito legal o que você está fazendo, mas acho muito romântico". Isso porque a gente tinha 28 páginas de fundamentação teórica. Isso me pegou bastante.

Acho que o desafio era como traduzir o que a gente estava fazendo para a linguagem desses outros espaços. Comprei livros de negócio, para entender como fazer essa tradução. Por mais que a gente tivesse uma lógica de modelo de negócios e fundamentação teórica por trás do projeto, eu tinha dificuldade em entender pra quem eu falava o Paulo Freire e pra quem eu falava o Eike Batista.

Um outro desafio foi a concentração do recurso nas mãos de algumas pessoas, que dominam o código. A gente às vezes ficava muito feliz por ganhar os recursos de um Vai, de R$ 36 mil, e depois descobria que tem amigos e amigas que captavam R$ 500 mil. Isso pra mim é muito surreal, até hoje. É uma realidade muito diferente. Aos poucos, vi que eu podia montar um projeto que talvez custasse um pouco mais. O desafio é conseguir acessar esses lugares onde poderíamos ter contato com esse tipo de recurso. Porque são grupos muito fechados. Até hoje, quando tenho reuniões, tento levar comigo uma galera que não está ainda nesse circuito. Eu sei como é. Se alguém que está dentro não te colocar, você vai ficar dependendo de recurso público pra sempre.

De onde veio a ideia de criar o Historiorama, sua nova iniciativa?

Pensei que eu tinha disputado a narrativa, quando coordenava a agência de comunicação Maré Alta, e a formação, na Escola de Notícias. Então ficou faltando apenas disputar o veículo, né? Tive a ideia da Historiorama, que tem como proposta trabalhar pelo direito de todos e todas contarem a sua história. É basicamente democratização da comunicação, mas não coloco nestes termos pois muita gente pensa que isso é só "abaixo a Rede Globo". Mas eu sempre fui distante dessa posição, porque acredito que ao invés de brigar contra a Rede Globo, eu quero brigar para que mais pessoas tenham as suas próprias Redes Globos. Acredito que dá pra ter um monte de gente sendo o Silvio Santos de si mesmo, tendo seus próprios veículos.

Se a população já tem acesso a meios de comunicação na TV aberta e com a internet, qual o papel de democratizar a informação?

O que eu entendo por democratização da comunicação é garantir uma pluralidade de vozes. Quero que mais pessoas não cresçam achando que o Brasil é branco e de olho verde, como é contado pela mídia tradicional. Democratizar é ter mais gente falando, inclusive via TVs comunitárias, que são incríveis pois conseguem regionalizar o conteúdo. É importante entender a política internacional? É importante. Mas para mim e muitas outras pessoas, nesse momento é mais importante entender onde tem alimentação orgânica no Campo Limpo. E hoje isso é difícil, pelas redes sociais os algoritmos não deixam. Eu só consigo fazer isso com a comunicação comunitária.

A nossa leitura é de que hoje a gente tem um deserto de notícias gigantesco. A pesquisa Atlas da Notícia mostra que 35% dos municípios brasileiros não têm mídia própria. Eles cruzam esses dados com os IDHs, e esses lugares são geralmente os com os IDHs mais baixos. Pensei então que esses desertos não existem só no Brasil, territorialmente falando. Existem dentro dos grandes centros urbanos.

Como os projetos da Historiorama dialogam com isso?

A Historiorama tem hoje dois projetos. O primeiro é um podcast chamado Feito Nós, que está com um retorno muito legal entre os articuladores de projetos de cultura e educação nos territórios. No podcast pegamos um edital, público ou privado, convidamos quem o escreveu e sentamos juntos para lermos e traduzirmos o que ele pede. É importante porque nem todo mundo domina o código do que está sendo pedido. Já foram para o ar duas edições. O primeiro, com a Marina Fay da Fundação Affonso Brandão Hennel, foi ouvido mais de 300 vezes. É um produto muito funcional.

O segundo é o Embarque no Direito, um jornal distribuído gratuitamente, atualmente para 10 mil pessoas, focado no público leitor de periferias com mais de 40 anos de idade, que não é contemplado pelas produções comunicativas. Essas pessoas vão trabalhar às cinco da manhã, pois entram no serviço às sete, não conseguiram o direito de entrar às nove. Nesse horário, ainda não tem a distribuição de jornais gratuitos como o Metro ou o Destak. E na volta do trabalho, o ônibus está muito cheio e eles não vão conseguir consumir conteúdo dentro do busão.

No começo, me questionaram muito sobre a decisão de fazer um jornal e não um site. As pessoas falam coisas como "nossa Tony, não faz sentido, tá todo mundo na internet". Eu respirava fundo e questionava "defina todo mundo". O consumo de mídia no celular pra esse público é diferente. Eles não acessam Globo.com ou UOL.  Isso tem a ver com pacotes de dados, que costumam ser específicos para Facebook, Whatsapp e Instagram, e todos acabam circulando somente ali dentro porque não mexe com a franquia. É um perigo, porque as pessoas acabam acreditado que a internet é o Facebook.

Como você estudou esse público-alvo para criar o jornal?

Ficamos por um tempo indo nos terminais de ônibus bem cedo, às cinco e meia da manhã, e tentando entender esses  grupos, pessoas normalmente mais velhas. Temos muitos coletivos produzindo conteúdo, mas quem produz para nossos pais? Não estão dialogando com esse público, que está de alguma maneira apartado dessa discussão. Pautamos todo o jornal para eles. O Embarque no Direito sai mensalmente, e distribuímos em terminais de ônibus e grandes pontos circulação de moradores do Jardim Ângela, Campo Limpo e Capão Redondo. O jornal tem terminado muito rápido, o que prova que sim, tem demanda para isso.

Com a publicação queremos pesquisar, interpretar e traduzir os direitos sociais das periferias. A cada edição a gente escolhe um direito, convida seis meninos e meninas para participar da formação junto com a gente e produzir esses conteúdos. Todo mundo recebe para isso. São jovens que passam por cursos de comunicação da região, e muitas vezes depois disso falam "tá, e agora, o que eu faço?" É com essa galera que falamos, pois queremos gerar renda para eles. E os distribuidores são amigos desses jovens, moram nessa região. Na última edição, de tudo que a gente gastou, 78% foi só para voltar para a mão de moradores da comunidade. Isso nos interessa porque queremos ativar economicamente essa galera produtora de conteúdo da periferia.

Como surgiu a sua parceria com a Fundação Tide Setubal, que apoia o Historiorama por meio do Fundo Zona Leste Sustentável?

A gente se aproximou bastante quando a revista Página 22 fez uma edição especial sobre periferias, e eu e a Neca [Setubal, presidente do conselho da Fundação Tide Setubal] pudemos trocar uma ideia sobre periferias a partir de dois pontos de vista diferentes, um de quem mora e outro de quem apoia o desenvolvimento desse território. A partir dali nos aproximamos bastante porque a Fundação estava ampliando o seu leque de trabalho para além de São Miguel Paulista, tentando falar com outras periferias. Quando contei a ideia de produzir um veículo de comunicação, construímos via Fundo Zona Leste Sustentável essa parceria.

Na construção do projeto foi muito importante a participação do Haroldo Torres, sócio da Din4mo e consultor da Fundação Tide Setubal, e da Greta Salvi, coordenadora do Fundo Zona Leste Sustentável. A gente fez diversos encontros e eles me provocaram muito até eu chegar nesse conceito. Para além do aporte financeiro, para mim o mais incrível foi esse processo de mentoria, que me ajudou a ter mais clareza sobre a fundamentação teórica do que estamos fazendo. Isso impacta na repercussão do projeto, que já está boa, e aumenta as chances de expansão para o futuro.


Por: Fundação Tide Setúbal


CCJ aprova proposta que torna crime de estelionato abertura de empresas no nome de laranjas.

Segundo a delegada Isabel Moraes, diretora da Divisão de Falsificação e Defraudação da Polícia Civil do Distrito Federal, o principal ganho da proposta é justamente na criminalização de quem empresta o nome para ser usado na abertura de empresas, sem ser de fato sócio


Abrir empresas no nome de quem não seja realmente sócio, os chamados laranjas, pode ser crime de estelionato tipificado no Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40).

É o que prevê projeto (PL 4033/15) aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça.

A proposta acrescenta, no artigo do Código Penal que trata de estelionato, a fraude na abertura ou transferência de empresas. A pena prevista no Código Penal para o crime de estelionato é de reclusão de um a cinco anos.

De acordo com o texto, o crime será praticado por quem abrir ou transferir a titularidade de empresa em nome de pessoas que não sejam realmente sócios, e também por quem permitir o uso de seu nome falsamente como sócio de empresa.

Segundo o relator do projeto na CCJ, deputado Fábio Sousa, do PSDB de Goiás, é necessário proteger os cidadãos.

"É preciso aperfeiçoar o tratamento penal da matéria, dada a frequência crescente que essa prática delituosa adquiriu nos últimos anos. É preciso proteger as pessoas que servem inadvertidamente como laranjas, bem como apenar com rigor os que os exploram."

Já para a delegada Isabel Moraes, diretora da Difraudes, Divisão de Falsificação e Defraudação da Polícia Civil do Distrito Federal, o principal ganho da proposta é justamente na criminalização de quem empresta o nome para ser usado na abertura de empresas, sem ser de fato sócio.

"Normalmente, contas ou pessoas jurídicas são abertas pra lavagem de dinheiro. Pra quem abre a conta já existe toda uma tipificação prevista, que é a lei de lavagem de dinheiro, que, inclusive, tem uma pena muito maior do que o próprio estelionato. Agora, pra quem dá o nome pra que essa conta seja aberta, eu acho, sim, muito louvável que ele se configure como um autor de estelionato."

Segundo a delegada, apesar de não ter dados estatísticos sobre o número de cidadãos que têm o nome roubado, eles são a minoria.

"São raros os casos que uma empresa seja criada no nome de uma pessoa desconhecida dos autores, a partir de documentos falsos. Isso é uma situação. A outra situação é: os criminosos pediram para aquela pessoa abrir uma conta e, a partir deste momento, ela vai ganhar um salário. Então, a partir do momento em que ela vê uma vantagem em concordar com aquela prática criminosa, a gente vai ter sempre um estelionato".

A proposta que torna crime de estelionato a abertura de empresas no nome de laranjas ainda precisa ser analisada pelo Plenário.

Reportagem - Paula Bittar


Estudantes brasileiros estão na mídia internacional.

Otto Gerbaka, Guilherme Funck, Laura D'Amaro,Thiago Bodê, professor, Laura De Ávila, e Natan Cardoso, Emef Perimetral (da esq. p/ direita). (Foto: Colégio Dante/Divulgação)
 
Estudantes brasileiros apresentam nesta quinta-feira (28), em Washington, nos Estados Unidos, um experimento vencedor do concurso espacial do governo americano. O projeto foi escolhido entre 72 trabalhos enviados à Agência Espacial Americana (Nasa).

O experimento se chama "Cimento Espacial". Ele busca testar como a microgravidade atua sobre um composto feito de cimento e plástico reciclável. O projeto será executado no espaço por um astronauta da Nasa, e ao término da expedição, que durará aproximadamente 30 dias, retornará à Terra para ser analisado.

"Todo o processo foi uma rica oportunidade para estimularmos o pensamento científico, a criatividade, as atitudes de colaboração e a valorização da ciência e tecnologia como ferramentas para o desenvolvimento. (...) Foi um orgulho para nós podermos proporcionar isso a todos eles", conta Sandra Tonidandel, coordenadora-Geral Pedagógica do Dante Alighieri.


Por Gessyca Rocha, G1, São Paulo

Especialista elogia proposta de aumento da multa por trabalho infantil, mas pede ajustes para ampliar alcance da punição.

Imagem: ilustração

Especialista elogia a proposta de aumento da multa por trabalho infantil, mas pede ajustes que permitam ampliar o alcance da punição. Hoje, o estabelecimento flagrado com o trabalho ilegal de crianças e adolescentes é multado em um salário mínimo. A Comissão de Trabalho da Câmara aprovou (em 23/05) um substitutivo a duas propostas sobre esse tema (PLs 2961/15 e 3536/15), fixando a multa em R$ 1 mil. Em caso de reincidência, a multa é dobrada. O valor será corrigido anualmente pela variação acumulada do INPC, um dos índices de inflação medidos pelo IBGE. Para a chefe da divisão de erradicação do trabalho infantil do Ministério do Trabalho, Marinalva Dantas, o aumento da multa é positivo:

"O Brasil se comprometeu a acabar com o trabalho infantil até 2025 e ainda temos cerca de 2 milhões trabalhando. Agora está diminuindo lentamente porque a sociedade é quase cúmplice e acha que 'tudo bem: é melhor estar trabalhando'. Não é melhor. É muito pior que ele esteja trabalhando. Muito melhor que ele estivesse estudando para fazer alguma coisa pelo país e por ele mesmo no futuro."

O texto altera a Consolidação das Leis do Trabalho e o relator da proposta, deputado Lucas Vergílio, do Solidariedade de Goiás, justificou assim as pequenas alterações nos textos originais:

"A redação atual da CLT está defasada e leva a valores pouco significativos. Assim, é providencial a inovação legislativa ao fixar o valor das multas em moeda corrente e estabelecer critérios objetivos para a correção. O seu mérito é inegável, no entanto, alguns ajustes são necessários para aprimorar o conteúdo e evitar a inconstitucionalidade e a injuridicidade."

No entanto, Marinalva Dantas criticou a manutenção, na CLT, do limite máximo de cinco salários mínimos para multas em caso de trabalho infantil:

"É uma vergonha para o país ter um limite de multa para crianças que trabalham. Se eu encontrar vários adultos sem registro, a multa é per capita: se houver 200 trabalhadores, vai ser o valor da multa vezes 200. Quando a gente encontra criança trabalhando, que é o trabalhador mais vulnerável e que mais se acidenta e adoece, essa multa é per capita, mas limitada a cinco crianças. Então, isso significa quase uma promoção: explore 100 e pague apenas por cinco. Nós já encontramos, em um único local, 130 crianças trabalhando."

A chefe da divisão de erradicação do trabalho infantil espera que esse limite de multa seja retirado ao longo da tramitação da proposta. O texto está em análise agora na Comissão de Constituição e Justiça.

Reportagem - José Carlos Oliveira

Avaliar a capacidade das células tumorais de produzir o hormônio melatonina pode se tornar uma estratégia inovadora de medir o grau de malignidade em alguns tipos de câncer, entre eles tumores do sistema nervoso central, pulmão, intestino, pâncreas e bexiga.

Grupo do IB-USP mostrou que, em alguns tipos de câncer, quanto maior é a produção de melatonina pelas células tumorais menos agressiva é a doença e maior o tempo de sobrevida do paciente (imagem: Regina P. Markus)

Em estudos conduzidos no Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP), o grupo coordenado pela professora Regina Pekelmann Markus mostrou que, nesses casos, o nível de expressão dos genes codificadores das enzimas que sintetizam e degradam melatonina permite predizer que tumores menos agressivos produzem maior quantidade desse hormônio.

As análises revelaram ainda que a maior produção local se correlacionava com uma maior sobrevida dos pacientes. "Estamos agora avaliando em parceria com o professor Valtencir Zucolotto, da USP de São Carlos, a possibilidade de criar um kit para medir o nível de melatonina em amostras de tecido tumoral obtidas por biópsia. Além de auxiliar no prognóstico da doença, a tecnologia abriria caminho para novas abordagens terapêuticas", disse Markus à Agência FAPESP.

Os trabalhos da pesquisadora com melatonina tiveram início ainda nos anos 1990. Por meio de estudo com roedores, ela demonstrou que o hormônio que sinaliza para o organismo que está escuro e, portanto, é hora de descansar poderia ser produzido em outros locais do organismo além da glândula pineal, situada dentro do cérebro, como até então era conhecido.

Demonstrou ainda a importância da produção periférica de melatonina na regulação de processos inflamatórios em diferentes contextos fisiológicos e fisiopatológicos.

"Mostramos inicialmente em roedores que, quando há um estímulo inflamatório em um tecido periférico e o sistema imune precisa montar uma resposta de defesa, como diante de uma infecção bacteriana, por exemplo, ocorre o bloqueio da síntese de melatonina pela pineal. Como esse hormônio impede a migração das células de defesa da corrente sanguínea para o local da infecção, a sua redução é essencial para que as células imunes atinjam o local agredido", disse Markus. A pesquisadora abordou o tema em apresentação no dia 10 de maio no congresso "Next Frontiers to Cure Cancer", promovido pelo A.C.Camargo Cancer Center em São Paulo.

Depois que a ameaça é reduzida, as próprias células de defesa passam a secretar melatonina no tecido afetado para evitar danos desnecessários. Em seguida, o organismo deve retornar à condição normal, ou seja, cessar a produção periférica de melatonina e restaurar a produção no sistema nervoso central.

A essa comunicação bidirecional entre a glândula pineal e o sistema imune o grupo da USP chamou de eixo imune-pineal. Trabalhos posteriores revelaram que a transição entre a síntese pineal e extrapineal de melatonina é regulada por um complexo proteico chamado NF-κB (fator nuclear kappa B), um conhecido mediador inflamatório.

Uma revisão sobre o tema, reunindo os principais achados de mais de 20 anos de pesquisa, foi publicada em 2017 no British Journal of Pharmacology. Entre os autores principais, além de Markus, estão Pedro Augusto Carlos Magno Fernandes e Gabriela Sarti Kinker, ambos do IB-USP.

Produção periférica e câncer

Segundo Markus, há casos em que o organismo não consegue, por algum motivo, voltar à condição fisiológica e a produção periférica de melatonina é mantida. Ou então a produção pela pineal não é recuperada e o organismo, que aparentemente está bem, fica mais propenso ao surgimento de doenças. "Foi com esse raciocínio que resolvemos investigar a relação entre melatonina e câncer", disse.

O estudo começou com a observação de amostras de gliomas – um tipo de câncer que afeta o sistema nervoso central – obtidos de pacientes envolvidos em um estudo coordenado por Sueli Mieko Oba Shinjo, da Faculdade de Medicina da USP.

"Decidimos avaliar, nas células tumorais, como estava a expressão das duas enzimas-chave para a síntese de melatonina: a ASMT e a AANAT. Chamou a nossa atenção o fato de a expressão de ASMT estar muito baixa, mas o número de amostras era pequeno e decidimos investigar em linhagens já estabelecidas de gliomas", disse Markus.

O grupo então notou que, enquanto as linhagens mais agressivas (gliomas de grau 4) praticamente não tinham secreção local de melatonina, a expressão das enzimas de síntese era maior em gliomas de grau 1 e 2, considerados de menor malignidade.

O passo seguinte foi analisar dados de tumores depositados no banco público mantido pelo Cancer Genome Atlas (TCGA), nos Estados Unidos. Além de informações sobre expressão gênica no tecido tumoral, o repositório também oferece acesso a dados clínicos, permitindo aos pesquisadores fazer correlações entre os achados sobre a expressão da melatonina e o desfecho clínico de cada paciente.

"Investigamos a síntese de melatonina em praticamente todos os tipos de tumores depositados no banco. Para isso, criamos um índice com base na expressão do gene ASMT e também do gene CYP1B1, que codifica a principal enzima responsável por degradar a melatonina [se esse gene estiver muito expresso o hormônio será rapidamente metabolizado e o nível de melatonina será baixo na célula]", disse Markus.

O estudo mostrou que, quanto maior era o índice (ou seja, maior era a produção preditiva local de melatonina), menos agressivo era o glioma e maior era o tempo de sobrevida dos pacientes. Resultados semelhantes foram observados para outros tipos de tumores sólidos como pulmão, pâncreas, colorretal e bexiga, mas não em tumores não sólidos como a leucemia e os linfomas.

Os resultados da investigação com dados de gliomas foram publicados em 2016 no Journal of Pineal Research e compõem a tese de doutorado de Kinker, que, atualmente, continua os estudos do sistema melatonérgico em gliomas no Weizmann Institute of Science, em Israel.

"Partimos então para investigar por quais mecanismos a melatonina estava agindo nas células do câncer e, atualmente, estamos em processo de patenteamento de métodos prognósticos e agentes melatonérgicos para o tratamento de alguns tumores sólidos", disse Markus.

Segundo a pesquisadora, a melatonina em si não poderá ser usada no tratamento porque atua por múltiplos mecanismos de ação e pode não favorecer a contenção do tumor em alguns pacientes.

"É fundamental conhecer as possíveis variáveis do sistema antes de intervir, pois são diferentes em cada paciente. Acreditamos que o ideal seja uma terapia individual precedida por exame laboratorial mostrando que o tratamento não será prejudicial. Por esse motivo, estamos trabalhando no desenvolvimento de um kit para avaliar a produção de melatonina no tecido tumoral. Acreditamos que seja possível fazer um teste barato, semelhante ao usado para medir glicose no sangue", disse a professora do IB-USP.

Os pesquisadores ressaltam, contudo, que antes de lançar a tecnologia para avaliação do prognóstico será preciso validá-la em amostras de biópsia dos diversos tipos de tumores sólidos estudados, processo que deve demorar cerca de três anos.

"Também precisamos estabelecer o melhor processo para fazer essa análise e uma forma de adaptar a metodologia para uso comercial. Agora é hora de pensar em como transformar conhecimento em produto, uma etapa que temos muito a aprender com o Instituto Weizmann de Israel", disse Markus.


Karina Toledo  |  Agência FAPESP

É urgente preservar a vida de adolescentes no Brasil, afirma ONU.

Imagem: ONU BR

O Sistema ONU no Brasil manifesta consternação com a morte violenta do estudante Marcos Vinícius da Silva, de 14 anos, vítima de disparo de arma de fogo, na última quarta-feira (20), a caminho da escola, em uma das comunidades do conjunto de favelas da Maré, no Rio de Janeiro.

Ele é um exemplo do trágico número de 31 homicídios de crianças e adolescentes que acontecem por dia no Brasil. Em 2015, 11.403 meninos e meninas de 10 a 19 anos foram vítimas de homicídio no país – maior número absoluto de homicídios de adolescentes no mundo. Os adolescentes negros estão três vezes mais vulneráveis a mortes violentas em comparação com os brancos na mesma faixa etária.

A convicção de que este ciclo de violência precisa acabar levou o Sistema ONU no Brasil a lançar a campanha Vidas Negras, pelo fim do racismo e da violência letal contra a população negra. As Nações Unidas fazem um apelo público pela garantia do direito à vida de cada criança, adolescente, jovem, mulher e homem negro.

É inadmissível que a trajetória de vida de adolescentes, como Marcos Vinícius da Silva e tantos outros, seja interrompida de forma violenta, gerando consequências tão graves quanto permanentes para outras crianças e adolescentes, suas famílias, suas comunidades e a sociedade brasileira.

As organizações do Sistema das Nações Unidas no Brasil se solidarizam com a família, amigos, amigas, colegas, professores e professoras de Marcos Vinícius da Silva e de todas as outras vítimas de violência no Brasil. Solicitam que os autores desses homicídios sejam identificados e responsabilizados perante a justiça brasileira. Da mesma forma, reitera a necessidade urgente de um compromisso do país com ações de prevenção e resposta à violência contra crianças e adolescentes.

Sistema ONU no Brasil
26 de junho de 2018

ONU Livres & Iguais e iniciativa privada lançam Padrões de Conduta para Empresas no Brasil.


Foto: ONU Brasil

A campanha da ONU Livres & Iguais e líderes da iniciativa privada lançam os Padrões de Conduta para Empresas – enfrentando a discriminação contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis, pessoas trans e intersexo. O documento, elaborado pelo Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), visa fortalecer o envolvimento das empresas na promoção da igualdade de direitos e tratamento justo da população LGBTI.

A atividade acontece em São Paulo, na terça-feira (26), com a participação de Liniker, Johnny Hooker e Aíla e faz parte das comemorações do Mês do Orgulho LGBTI. Mais de 17 empresas brasileiras integram a lista de primeiros apoiadores.


Como parte das comemorações do Mês do Orgulho LGBTI, a campanha da ONU Livres & Iguais, ao lado de líderes da iniciativa privada, lança em São Paulo os Padrões de Conduta para Empresas – enfrentando a discriminação contra lésbicas, gays, bissexuais, travestis, pessoas trans e intersexo. O documento, elaborado pelo Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), visa fortalecer o envolvimento das empresas na promoção da igualdade de direitos e tratamento justo da população LGBTI.

"É particularmente importante realizar o lançamento latino-americano dos Padrões de Conduta em São Paulo, já que o setor privado brasileiro aderiu de modo extraordinário a eles desde o início, com mais de 17 empresas na lista de primeiros apoiadores", diz Fabrice Houdart, Oficial de Direitos Humanos das Nações Unidas e co-autor dos Padrões. "Empresas brasileiras podem desempenhar um papel de liderança para promover maior inclusão de pessoas LGBTI não só no país, mas em toda a região", acrescenta.

Para promover a utilização dos Padrões de Conduta em todo o mundo, a ONU convida empresas a manifestar publicamente seu apoio. Globalmente, mais de 140 empresas já se somaram à iniciativa e eventos similares foram realizados em Nova Iorque, Toronto, Paris, Londres, Genebra, Davos, Nairóbi, Melbourne, Mumbai, Hong Kong e Tóquio.

Com o primeiro lançamento na América Latina sendo realizado em São Paulo, o Brasil consolida sua posição no mapa dos esforços globais das empresas pelo fim da discriminação com base em orientação sexual, identidade de gênero e/ou status sexual.

As empresas brasileiras Gol Linhas Aéreas Inteligentes, Braskem, Natura, Mattos Filho Advogados, Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), Maria Farinha Filmes, Jogê, Fotos Públicas, Demarest, MCV Advogadas, O Panda Criativo, Trench, Rossi e Watanabe, Banca Comunicação, Moom, Lee Brock e Camargo Advogados, Grupo Sá Engenharia, Cobasi e Veirano Advogados estão entre as organizações que já aderiram ao compromisso da ONU pelos direitos humanos da população LGBTI. Dentre as mais recentes manifestações de apoio de empresas multinacionais presentes no Brasil estão Accor Hotels, Avianca, Calvin Klein, Johnson & Johnson, Kellog, KPMG, Levi's, Pepsi Cola, Santander, Société Générale, Sodexo, Telefônica/Vivo, Thyssen Krupp e Zara. Lista completa aqui.
Os 5 compromissos das empresas pela igualdade LGBTI

Em setembro de 2017, o Escritório das Nações Unidas para os Direitos Humanos lançou os Padrões de Conduta para Empresas no enfrentamento à discriminação contra pessoas LGBTI.

Baseados em normas e boas práticas reconhecidas internacionalmente, os Padrões de Conduta foram elaborados após um ano de reuniões consultivas regionais, com representantes de empresas e da sociedade civil na Europa, África, Ásia e Américas. Eles oferecem a empresas de todo o mundo – de pequeno e grande porte, nacionais e multinacionais – orientações sobre como respeitar os direitos da população LGBTI. Entre essas orientações, estão 5 compromissos básicos:

SEMPRE: Respeitar os direitos humanos de funcionários, clientes e membros da comunidade LGBTI
NO LOCAL DE TRABALHO: Acabar com a discriminação contra funcionários LGBTI e apoiar funcionários LGBTI no ambiente de trabalho
NO MERCADO: Não discriminar clientes, fornecedores e distribuidores LGBTI, além de insistir que seus parceiros de negócios também não discriminem
NA COMUNIDADE: Defender os direitos humanos de pessoas LGBTI nas comunidades onde realizam seus negócios

Estatísticas

Um estudo do Banco Mundial realizado na Índia em 2015 estimou que o custo da discriminação contra a população LGBTI poderia custar ao país 1,7% do seu PIB potencial, o equivalente a 32 bilhões de dólares (Banco Mundial).

Empresas com elevada diversidade apresentam melhor desempenho no mercado. Funcionários reportam com frequência maior que as suas fatias de mercado cresceram (45%) ou que ingressaram em um novo mercado (70%) (Harvard Business Review, 2016).

Empresas que acolhem funcionárias e funcionários LGBT apresentam retorno de investimentos e aumento nos lucros maiores que a média (Harvard Business Review, 2014).

Funcionários LGBTI que "estão no armário" têm 73% mais chance de deixar os seus postos de trabalho, em comparação com funcionários que não estão (Harvard Business Review, 2016).

Vinte e sete por cento de funcionários LGBTI que estão "no armário" no ambiente profissional afirmaram que esconder sua identidade os impedia de compartilhar ideias com seus pares (Center For Talent Innovation, 2016).

O poder global de compra de consumidores e aliados LGBT é estimado em 3,7 trilhões de dólares (LGBT Capital, 2015).

Mais de um terço dos países do mundo criminalizam relações consensuais entre pessoas do mesmo sexo e expressões de gênero não conformes (ACNUDH).

No Brasil, ocorre um assassinato motivado por homofobia ou transfobia a cada 27 horas. Apenas 25% dos casos são investigados, e menos de 10% dos autores são identificados e punidos (Grupo Gay da Bahia, 2015).

Pessoas trans são 51% das vítimas da LGBTI-fobia no país (Secretaria de Direitos Humanos, 2012).

Enquanto a expectativa de vida do brasileiro médio é de 75 anos (IBGE), a de uma pessoa trans é de 35 anos (Comissão Interamericana de Direitos Humanos, 2015).

No Brasil, estima-se que a cada dois dias uma pessoa trans é assassinada. Mais de 170 mortes foram registradas em 2017. No primeiro trimestre de 2018 já foram 50 casos. Entre os países em que essa informação está disponível, o Brasil lidera o ranking global de assassinatos de pessoas trans – e mata quatro vezes mais que o segundo colocado, o México (RedeTrans, ANTRA, Transgender Europe).

Iniciativas das Nações Unidas relacionadas a Empresas e Direitos Humanos

As empresas são responsáveis por respeitar as normas internacionais de direitos humanos, independentemente do seu porte, estrutura, setor ou local. Na sua atuação, elas têm oportunidades importantes de promover a diversidade e uma cultura de respeito e igualdade não só no local de trabalho, mas também no mercado, com seus parceiros comerciais e nas comunidades em que mantêm suas operações.

Em 2000, a ONU lançou o Pacto Global, a maior iniciativa de responsabilidade corporativa do mundo, para incentivar as empresas a respeitar os princípios universais de direitos humanos e contribuir para uma economia global mais sustentável e inclusiva. Em 2011, o Conselho de Direitos Humanos da ONU endossou os Princípios Orientadores da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos. Atualmente, há um Grupo de Trabalho sobre Empresas e Direitos Humanos, composto por cinco especialistas independentes, que visitou o Brasil em 2016. Além disso, o Grupo de Trabalho guia o Fórum sobre Empresas e Direitos Humanos, que ocorre anualmente e é o maior encontro do mundo sobre o tema.
Mês do Orgulho LGBTI

O mês de junho é celebrado internacionalmente como o Mês do Orgulho LGBTI. A data remete aos protestos de Stonewall, quando ativistas e membros da comunidade LGBTI enfrentaram as forças policiais de Nova Iorque, em 1969, pelo fim da discriminação com base em orientação sexual e em identidade de gênero e pela defesa dos direitos dessa população. Desde então, as comemorações representam não apenas um reconhecimento da importância que as pessoas lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersexuais têm em nossa sociedade, mas também um posicionamento em resposta à discriminação e pelo fim da violência contra as pessoas LGBTI.

Livres & Iguais

Em julho de 2013, o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) lançou a ONU Livres & Iguais – uma campanha de informação pública das Nações Unidas, global e sem precedentes, com o objetivo de promover direitos iguais e tratamento justo para pessoas LGBTI. Em 2017, a ONU Livres & Iguais alcançou 2,4 bilhões de linhas do tempo nas redes sociais de todo o mundo e gerou correntes de materiais vastamente compartilhados – incluindo vídeos poderosos, imagens impactantes e notas informativas com vocabulário acessível. No Brasil, a campanha tem sido implementada desde 2014, sob a liderança do Escritório de Coordenação da ONU Brasil.

Patrocinado por Uber, Demarest, Natura, Lee Brock e Camargo Advogados, [SSEX BBOX], Embaixada do Reino Unido e Fotos Públicas, o evento de lançamento será às 17h do dia 26 de junho, na Casa Natura Musical, em São Paulo. Liniker e Johnny Hooker, Campeões da Igualdade da campanha da ONU Livres & Iguais, comandarão o lançamento, que terá pocket show da "artivista" paraense Aíla, roda de conversa sobre pessoas LGBTI no ambiente corporativo e troca de experiências entre empresas sobre inclusão desta população.

SERVIÇO

Lançamento dos Padrões de Conduta para Empresas
Data: 26 de junho
Horário: 17h às 20h
Local: Casa Natura Musical (Rua Artur de Azevedo, 2134 – Pinheiros, São Paulo)

ENTREVISTAS:
Presença de porta-vozes da ONU, incluindo Campeões da Igualdade da ONU Livres & Iguais, o cantor Johnny Hooker e a cantora Liniker, representantes de empresas e governo, além de ativistas LGBTI.


CONTATO DE IMPRENSA
Roberta Caldo – Assessora de Comunicação do Centro de Informação ONU no Brasil/UNIC Rio


Bloqueio de celular roubado agora pode ser feito sem o número do IMEI

ANATEL CELULARES SMARTPHONES

A partir de hoje (8), está mais fácil bloquear celulares roubados, extraviados ou perdidos, bastando apenas ao usuário informar o número da linha para a operadora. Antes, era necessário anunciar os cerca de 15 números que compõem o identificador chamado IMEI – espécie de chassi dos aparelhos, que pode ser visualizado ao se digitar *#06#. Ele também pode ser localizado na parte traseira do aparelho, em geral perto da bateria, caso o celular esteja descarregado.

De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o bloqueio pode ser feito junto às operadoras em todo o Brasil e, também, na Polícia Civil da Bahia, Ceará e Espírito Santo, onde já há acesso ao sistema. Em breve, o mesmo poderá ser feito nas delegacias de Goiás, Mato Grosso, Rio de Janeiro e São Paulo, bem como por meio da Polícia Federal.

Basta ao usuário fazer uma ocorrência nas delegacias para, automaticamente, o celular ser incluído em uma lista que contém aparelhos roubados, extraviados ou perdidos tanto em território nacional como em 44 outros países. No caso de aparelhos com dois chips, o ideal é informar o número das linhas às duas operadoras.

Fechando o cerco

"Estamos adotando duas formas de combate a roubos e furtos. A primeira, bastando apresentar às operadoras ou delegacias o número do celular, em vez dos 15 números do identificador, para bloqueá-lo. A segunda, ao obrigarmos que transportadores e lojistas incluam, na nota fiscal, esse identificador. Isso possibilitará a identificação dos aparelhos em caso de roubo de cargas ou em lojas varejistas", disse o presidente da Anatel, João Rezende, ao anunciar as medidas hoje em Brasília.

A fim de evitar que as pessoas adquiram celulares roubados, foi disponibilizada, na internet, uma página  na qual é possível saber se os identificadores Imei estão bloqueados. A consulta pode ser feita pelo site www.consultaaparelhoimpedido.com.br.

"Para saber o número de identificador, basta digitar *#06# no próprio aparelho celular", informou Rezende. Segundo o superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, Alexandre Bicalho, "o roubo de celulares já estava virando uma indústria no país", inclusive, com a comercialização de aparelhos roubados no exterior.

"Por isso, a consulta [sobre aparelhos bloqueados] terá também uma base internacional com mais de 30 milhões de registros de celulares roubados em 44 países", disse o superintendente da Anatel.

Nos casos em que a pessoa perdeu e, depois, encontrou o aparelho, será possível fazer o desbloqueio junto à operadora. Já os aparelhos roubados que tenham sido localizados pela polícia poderão ser devolvidos ao proprietário original. "Para isso, basta a boa vontade do policial ou de quem [na consulta] descobrir que o celular está bloqueado", finalizou Bicalho.

Texto de Pedro Peduzzi, publicado na Agência Brasil

Até agosto, o terraço do Centro Cultural São Paulo (CCSP) recebe sessões gratuitas de cinema, sempre uma vez por mês, aos domingos. As datas são: 17 de junho, 29 de julho e 5 de agosto, às 18h30.


inRead invented by Teads... Créditos: João Mussolin/divulgação

A experiência cinematográfica se completa com oficinas de stop motion para crianças e produção de videoclipes ao longo do dia, além de espaço para discussões nos Talks. A cada mês serão dois especialistas que usarão o filme como gancho para oferecer uma ótica diferente dos temas propostos, com mediação de Juliana Sabbag (do portal Cinema na Mesa). A curadoria de filmes é de Renata Ávila Alamy.
PUBLICIDADE

Confira a programação:

Junho
Data: 17/6
Filme: "Inception" (2010)
Sessão às 18h30 (sujeito a lotação)
Tema do Talk: Sonhos lúcidos e Hiper realidade (com Monique Evelle e Lina Lopes) • às 17h30

Oficinas:
- OFICINA CHIRRIN CHIRRION | Stop Motion para Crianças (6 - 12 anos, acompanhadas dos pais) • Criação de cenas curtas e efeitos especiais com smartphones da Família #motoZ e moto Snaps™️ • Das 14h às 17h • 10 vagas
- OFICINA VIDEOCLIPE | Produção de clipes para Jovens (13 - 18 anos) • Gravação de performances artísticas para os grupos de dança que ensaiam no CCSP com smartphones da Família #motoZ e moto Snaps™️ • Das 17h às 20h30 • 2 vagas

Julho
Data: 29/7
Filme: "Lost in Translation" (2004)
Sessão às 18h30 (sujeito a lotação)
Tema do Talk: A Cumplicidade na Solidão (com Natália Garcia e Piti Koshimura) • às 17h30

Oficinas:
- OFICINA CHIRRIN CHIRRION | Stop Motion para Crianças (6 - 12 anos, acompanhadas dos pais) • Criação de cenas curtas e efeitos especiais com smartphones da Família #motoZ e moto Snaps™️ • Das 14h às 17h • 10 vagas
- OFICINA VIDEOCLIPE | Produção de clipes para Jovens (13 - 18 anos) • Gravação de performances artísticas para os grupos de dança que ensaiam no CCSP com smartphones da Família #motoZ e moto Snaps™️ • Das 17h às 20h30 • 2 vagas

Agosto
Data: 5/8
Filme: "Blade Runner" (1992) • Sessão às 18h30 (sujeito a lotação)
Tema do Talk: Andróids Sonham com Ovelhas Elétricas? (com Lídia Zuin e André Alves) • às 17h30

Oficinas:
- OFICINA CHIRRIN CHIRRION | Stop Motion para Crianças (6 - 12 anos, acompanhadas dos pais) • Criação de cenas curtas e efeitos especiais com smartphones da Família #motoZ e moto Snaps™️ • Das 14h às 17h • 10 vagas
- OFICINA VIDEOCLIPE | Produção de clipes para Jovens (13 - 18 anos) • Gravação de performances artísticas para os grupos de dança que ensaiam no CCSP com smartphones da Família #motoZ e moto Snaps™️ • Das 17h às 20h30 • 2 vagas


Central de Informações
3397-4002
ccsp@prefeitura.sp.gov.br

por Redação

Oficina Colaborativa de modelo vivo


De agosto de 2017 a outubro de 2018

Nesta oficina não há modelos, os próprios participantes se revezam posando entre si, permitindo que todos experimentem livremente as diversas facetas da produção artística. Ao se ver como artista e modelo o participante expande seus limites perceptivos e passa a entender sua produção e a extensão do corpo de outra forma.

sextas, às 14h30 – 120min – 12 anos – Sala de Ensaio II – 60 pessoas (por ordem de chegada) – aberta ao público em geral interessado em desenvolver habilidades técnicas e perceptivas em desenho expandido

*Não haverá oficina nos dias 1º, 22 e 29/6


Centro Cultural São Paulo

Rua Vergueiro 1000 - CEP 01504-000 tel 3397 4002 - Paraíso São Paulo - SP


Câmara aprova perda de imóvel utilizado como cativeiro


Texto estabelece a perda, em favor da União, de imóveis que sejam utilizados como cativeiro nos crimes de sequestro e cárcere privado, e de extorsão mediante sequestro, quando o dono do imóvel participar do crime

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou uma proposta que busca garantir a perda do imóvel de quem utilizar o bem para sequestrar pessoas (PL 3852/04).

O texto estabelece a perda, em favor da União, de imóveis que sejam utilizados como cativeiro nos crimes de sequestro e cárcere privado, e de extorsão mediante sequestro, quando o dono do imóvel participar do crime. O juiz deverá declarar a perda na sentença.

O relator, deputado Delegado Edson Moreira, do PR de Minas Gerais, defendeu a aprovação.

"Os crimes de sequestro e cárcere privado, e extorsão mediante sequestro banalizaram-se com o correr dos anos. É preciso que a lei penal restrinja ao máximo as oportunidades da delinquência, e a perda do imóvel utilizado funciona como intimidação do delito."

O texto aprovado pela CCJ garante que a perda do imóvel não poderá ser declarada no caso de bens de família.

A proposta foi aprovada em caráter conclusivo e, portanto, deve seguir ao Senado, a não ser haja recurso para votação pelo Plenário.

Reportagem - Paula Bittar

Festival de Cinema Ambiental discute fontes de energia renovável,O Fica 2018 prossegue até domingo na cidade de Goiás


O coordenador-geral do Fica, Nasr Chaul, e Rodrigo Pedroso, representante da Absolar, durante mesa temática A Nova Energia (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

 
As novas fontes de energia e a importância da diversificação da matriz energética brasileira foram tema de debate hoje (6) durante o 20º Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica), na Cidade de Goiás. Além da extensa programação cultural, o desenvolvimento sustentável é parte do evento nas oficinas e mesas de conversa.

Os participantes da primeira mesa de meio ambiente do Fica, com o tema A Nova Energia, destacaram a importância de se aliar o desenvolvimento tecnológico à preservação do meio ambiente. Para o representante da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Pedroso, a diversificação e a complementariedade da matriz energética são essenciais para a estabilidade do sistema elétrico. "Temos as hidrelétricas, a energias eólica, a solar, e com isso, uma condição de geração bem contínua. Todas elas, a não ser a de combustíveis fósseis, são importante e se complementam", disse.

O coordenador-geral do Fica, Nasr Chaul, e o representante da Absolar, Rodrigo Pedroso,  durante mesa temática de Meio Ambiente, que discute "A Nova Energia".


Mais de 82% da matriz energética brasileira é de fontes renováveis, sendo mais de 60% hídrica, mas tendência é de diversificação. Segundo Pedroso, o Brasil tem 152 gigawatts de capacidade instalada, sendo apenas 1 gigawatts de energia solar. "Estamos em uma curva de crescimento. A energia solar não é mais a energia do futuro, mas do presente", disse. Segundo ele, a expectativa é que, até 2040, a energia solar represente 32% da matriz energética. "É um recurso que não agride o meio ambiente, temos que usá-lo".

De acordo com representante da Absolar, a Resolução 482 da Aneel, que regulamentou a utilização da energia solar fotovoltaica, permite que cada pessoa gere a sua própria energia elétrica e envie para o sistema da concessionária de energia o que não é utilizado. "Mais do que um benefício ambiental, ela traz um benefício econômico", explicou.

Também há linhas de financiamento específicas para compra de equipamentos e instalação do sistema e a possibilidade de isenção do ICMS na conta de energia. "Precisamos mostrar que não é uma energia inacessível, muita gente não usa por desconhecer. Mas é viável economicamente e ambientalmente", disse Pedroso.

Segundo o especialista, o que vai levantar o setor é a energia solar centralizada, por meio de usinas solares. Ele conta que esse ano, por exemplo, o setor pode participar de um dos leilões de energia do governo federal. "Não somos os salvadores, mas como energia renovável, todos unidos temos condições de resolver problema de abastecimento de energia no Brasil", ressaltou. "Queremos que a energia renovável seja a base do sistema e que ele tenha as termelétricas [que opera com a queima de carvão] como emergência".

Energia eólica
O representante da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), Ney Maron, destacou que o potencial eólico, quando utilizado com responsabilidade, é capaz de fazer transformações socioambientais. A capacidade instalada da energia eólica no Brasil é de 13 gigawatts, sendo 11 gigawatts só no Nordeste. A geração eólica já chegou a abastecer mais de 60% do consumo do Nordeste, por exemplo, e já evitou apagões.

"A matriz brasileira é bastante limpa, com 82% de renováveis. O desafio é não nos contentarmos com isso. [..] E as usinas hidrelétricas não conseguem mais ser viabilizadas por conta das questões socioambientais", disse Maron. Segundo ele, as vantagens da energia eólica é que os parques ocupam as áreas que não havia utilização humana, nem para agricultura, nem para indústria, e ainda podem conviver com outras atividades.

Para ele, não existe atividade humana desprovida de impactos. "Mas é uma questão de escolha. Que a gente vai gerar energia não há dúvida, a discussão é como vai gerar. O viés socioambiental não pode ser deixado de lado, não pode ser só o de menos custo ou de menor tempo de implantação", disse.

O Fica 2018 acontece até o próximo domingo (10). Mais duas mesas de meio ambiente fazem parte da programação. Elas abordarão as questões das novas cidades e da espiritualidade. O festival é uma realização da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte do governo de Goiás.

Por Agencia Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) o impedimento ou suspeição do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes nos processos envolvendo o empresário Orlando Diniz.

MPF do Rio pede impedimento de Gilmar Mendes em processos contra empresário carioca


O empresário, que presidiu a Fecomércio do Rio de Janeiro, por 20 anos, é acusado pela Força-Tarefa da Lava Jato no Estado por crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.


Em oficio enviado à PGR, os procuradores afirmam que as investigações sobre Diniz revelaram fatos que evidenciam eventual suspeição ou impedimento do ministro.


Os procuradores alegam que o Instituto Brasiliense de Direito Público, que tem o ministro como um dos sócios-fundadores e é controlado por sua família, teve uma série de eventos apoiados sob patrocínio da federação presidida por Diniz.


Segundo os procuradores, pelo menos três eventos entre 2015 e 2017, tiveram patrocínios da Fecomércio-RJ: um no Rio de Janeiro e dois em Lisboa.


A quebra de sigilo fiscal da Fecomércio teria revelado o pagamento de R$ 50 mil, em 2016.


Os procuradores citam que Mendes se declarou impedido em processo sobre questões patrimoniais em que a Fecomércio é parte e que tem o escritório de advocacia Sérgio Bermudes como representante legal.


O escritório tem no quadro de advogados em Brasília Guiomar Mendes, esposa do ministro.


O pedido de impedimento traz reportagem de jornal, na qual o ministro informa, por nota, que se declarava impedido para atuar em três casos representados pelo escritório de Bermudes.


No documento, os procuradores consideram descabido que o impedimento do magistrado seja válido em processo de natureza civil e não se aplique em processo de natureza penal, que trata da repressão a crimes graves, como corrupção e lavagem de dinheiro.


No último dia 31 de maio, Gilmar Mendes concedeu liminar habeas corpus determinando a substituição da prisão preventiva de Orlando Diniz por medidas cautelares.


Diniz foi preso por determinação do juiz federal Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Lava Jato no estado, sob acusação do MPF de participar em esquema criminoso que desviou mais de R$ 10 milhões de recursos públicos provenientes do Sesc, o Serviço Social do Comércio, e do Senac, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio.

Na semana passada, Brasil foi inserido na lista dos casos suspeitos de violação de direitos trabalhistas


Visão geral do Senado durante sessão em Brasília, no Brasil


OIT decide hoje se reforma trabalhista violou direitos

Na semana passada, Brasil foi inserido na lista dos casos suspeitos de violação de direitos trabalhistas

Análise: a Organização pode pedir mais esclarecimentos ao governo, e ainda definir que uma comissão de especialistas seja enviada ao país para analisar de perto a reforma (Adriano Machado/Reuters)

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) decide, nesta quinta-feira, se a Reforma Trabalhista brasileira violou os acordos da Convenção 98 – a Convenção relativa à Aplicação dos Princípios do Direito de Organização e de Negociação Coletiva –, e se colocou seus próprios trabalhadores em situação de vulnerabilidade.

Na semana passada, a OIT inseriu o Brasil na lista dos casos suspeitos de violação de direitos trabalhistas. Essa suspeita foi motivada pela falta de entendimento sobre como serão as negociações coletivas entre sindicatos e empresas empregadoras, e sobre os impactos que essa incerteza já estava causando.

No ano passado, um estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) mostrou que, entre fevereiro de 2017 e fevereiro deste ano, os acordos coletivos entre um único sindicato e uma empresa caíram 24%, e que o número de convenções coletivas que envolvem sindicatos de trabalhadores e patronais teve redução de 44%.

A queda das negociações acertou em cheio as forças sindicalizadas do país. Uma das principais reações foi a da Central Única dos Trabalhadores (CUT) que entrou, em setembro do ano passado, com uma representação de contestação na OIT levantando dúvidas sobre se a reforma trabalhista poderia romper com acordos coletivos trabalhistas e retirar direitos dos trabalhadores.

Analisando o recurso, o Comitê de Peritos da Organização pediu um esclarecimento do governo brasileiro, uma vez que as primeiras análises mostravam uma "preocupação" com as consequências que a reforma poderia gerar.

O Ministério do Trabalho, respondeu à Comissão de Aplicação de Normas da OIT na tarde de ontem, e afirmou que o Comitê agiu com "parcialidade política", porque não houve tempo hábil para analisar os impactos da reforma trabalhista em setembro do ano passado.  A reposta, porém, não foi suficiente para membros da reunião. Representantes de sindicatos da Bélgica, Espanha, Portugal, Itália, EUA, Canadá, Reino Unido, Uruguai, Paraguai e do Chile, além da própria CUT, atacaram a reforma trabalhista e pediram uma resposta global contra o que consideram retrocesso nos direitos dos trabalhadores.

A Organização pode, agora, pedir mais esclarecimentos ao governo, ou pode ainda definir que uma comissão de especialistas seja enviada ao Brasil para analisar de perto o que define a reforma. Seria má notícia para o governo.

O embate entre a Organização internacional e o governo brasileiro não é de hoje. No ano passado, a Organização criticou fortemente a proposta de modificar o conceito de trabalho escravo, afirmando que a decisão do Ministério do Trabalho pode causar "retrocessos lamentáveis", interrompendo "a trajetória de sucesso do Brasil no combate ao trabalho escravo".

Saiu na revista exame.

Pitty está de volta com sua nova música, "Contramão (Feat. Tássia Reis e Emmily Barreto)".


Imagem: Divulgação

O single é uma parceria com outras duas artistas: Tássia Reis e Emmily Barreto da banda Far From Alaska.

Em sua nova música, Pitty mostra influência de outros estilos musicais., além do rock. A produção da canção ficou por parte de Rafael Ramos, com mixagem de Tim Palmer (U2, Ozzy Osbourne, Pearl Jam e a própria Pitty) e masterização de Chris Athens (Drake e Childish Gambino).



O vídeo foi dirigido por Judith Belfer e conta com produção da Spray Filmes.

Clique na imagem e assista ao vídeo.

Antiprisma une folk e psicodelia em novo single, "Fogo mais Fogo"


Faixa traz participação de Gabriela Deptulski, do My Magical Glowing Lens


O duo Antiprisma lançou um novo single, "Fogo mais Fogo", que traz participação especial de Gabriela Deptulski, do projeto capixaba My Magical Glowing Lens.


A canção já está disponível nos streamings e antecipa o segundo disco da dupla, que será lançado em breve.


No Dia do Meio Ambiente, ONU promove atividades para combater a poluição plástica

Ilha de Fuerteventura, nas Ilhas Canárias. Foto: Flickr/Rasande Tyskar (CC)


Desde que foi instituído, em 1974, o Dia Mundial do Meio Ambiente se tornou a principal plataforma global para sensibilizar pessoas, organizações e países sobre a proteção da natureza.

Este ano, com o tema #AcabeComAPoluiçãoPlástica, a data soma esforços à campanha #MaresLimpos da ONU Meio Ambiente para combater o lixo marinho e mobilizar todos os setores da sociedade global no enfrentamento deste problema — que se não for solucionado, poderá resultar em mais plástico do que peixes nos oceanos até 2050.

A poluição plástica é considerada uma das principais causas atuais de danos ao meio ambiente e à saúde. Mesmo assim, os números da produção e descarte incorreto deste material não param de crescer. Mais plástico foi produzido na última década do que em todo o século passado. Por ano, são consumidas até 5 trilhões de sacolas plásticas em todo o planeta.

A cada minuto, são compradas 1 milhão de garrafas plásticas e 90% da água engarrafada contém microplásticos. Metade do plástico consumido pelos humanos é descartável (e evitável) e pelo menos 13 milhões de toneladas vão parar nos oceanos anualmente, prejudicando 600 espécies marinhas, das quais 15% estão ameaçadas de extinção.

Mais de 100 países já se uniram sob o slogan do Dia Mundial do Meio Ambiente deste ano e se comprometeram com atividades, como mutirões de limpeza de praias e florestas, e anúncios de políticas públicas voltadas ao descarte e consumo responsável do plástico.

Para o diretor-executivo da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim, este é um momento crucial para reverter a maré de poluição global. "Precisamos encontrar soluções melhores e mais rápidas do que nunca. Desistir não é uma opção para nós. Agora é a hora de agir juntos — independentemente da nossa idade — pelo bem do nosso planeta", alertou.

No Brasil, a ONU Meio Ambiente irá promover e apoiar uma série de ações durante toda a semana, entre os dias 4 e 11 de junho.
Semana de mobilização contra a poluição plástica

Hoje (4), será assinada a portaria que cria a Comissão Gestora do Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar pelo ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte.

A Comissão, da qual a ONU Meio Ambiente fará parte, terá o prazo de um ano para concluir o Plano Nacional, o qual deverá ser elaborado com a participação de vários setores da sociedade por meio de consulta pública.

Na terça-feira (5), Dia Mundial do Meio Ambiente, a agência e a National Geographic promoverão uma roda de conversa sobre a poluição plástica, que será realizada a partir das 19h30, no Cubo Itaú, em São Paulo.

A enviada especial da NatGeo, Paulina Chamorro, irá comentar os dados e descobertas da edição internacional de maio da revista, cuja capa contendo a obra do designer mexicano Jorge Gamboa e o provocativo título "Planeta ou Plástico?" viralizou mundialmente.



Foto: Jorge Gamboa

Fernanda Daltro, head campaigner da ONU Meio Ambiente, irá falar sobre a campanha Mares Limpos, lançada em 2017.

No mesmo dia (5), a ONU Meio Ambiente e o Sebrae, por meio do Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS), lançarão de forma inédita no país o Portal de Ecoinovação (www.ecoinovação.com.br). A plataforma reunirá informações e conteúdos interativos, como infográficos, publicações e vídeos, para auxiliar o empreendedor brasileiro a embarcar no movimento global da sustentabilidade corporativa.

Na quarta-feira (6), no AquaRio, no Rio de Janeiro, serão anunciados os resultados do Desafio Mares Limpos 2017 com os Escoteiros do Brasil, em que mais de 3 mil escoteiros receberam insígnias Mares Limpos por terem reduzido seu consumo de plásticos descartáveis. Segundo os escoteiros, um dos maiores obstáculos encontrados foi a resistência das próprias famílias em abraçar novos hábitos.

Na ocasião, também serão anunciadas as medidas de redução do plástico descartável nas operações do Grupo Cataratas nos parques nacionais da Tijuca (RJ), Foz do Iguaçu (SC) e Fernando de Noronha (PE). Denise Hamú, representante da ONU Meio Ambiente no Brasil, fará a abertura da exposição "Dá para ser diferente", em que três tanques do AquaRio terão plástico no lugar dos peixes para demonstrar a atual situação dos oceanos.

Na quinta-feira (7), a digital influencer e defensora #MaresLimpos, Fe Cortez, lançará a websérie "Mares Limpos" no canal do projeto "Menos 1 Lixo" no You Tube (www.youtube.com/menos1lixooficial). Serão dez capítulos, com dez minutos de duração cada, abordando o problema da poluição plástica de forma didática e dinâmica. A narrativa incluirá dados, descobertas e entrevistas com ativistas e cientistas do Brasil e do mundo, como o Capitão Charles Moore, que descobriu a ilha de plástico do Pacífico.

Na sexta-feira (8), a ONU Meio Ambiente estará no estado de Santa Catarina, onde as 11 cidades que compõem a Associação de Municípios da Foz do Rio Itajaí (AMFRI) irão aderir à campanha Mares Limpos, comprometendo-se a desenvolver e implementar um Plano Regional de Combate ao Lixo no Mar com foco no Rio Itajaí.

Na sexta-feira (8) e no sábado (9), a ONU Meio Ambiente promoverá, em parceria com a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e a Secretaria do Meio Ambiente do Governo do Estado do Amazonas (SEMA), o seminário "Dos Rios Limpos e Mares Limpos com os ODS", em Manaus.

Além de inserir a poluição dos rios interiores na agenda de debates sobre lixo marinho, o evento será palco do lançamento da iniciativa "Rios Limpos para Mares Limpos" e contará com a presença de Denise Hamú e do ministro Edson Duarte.

Como parte do objetivo global de promover o "maior clean up do mundo" neste período, a ONU Meio Ambiente também apoiará ações de limpeza de praias e rios durante toda a semana.

Outras atividades que integram as celebrações incluem: participação na mesa da audiência pública na Câmara Municipal de São Paulo sobre o consumo de canudos plásticos (5 de junho), participação na II Semana do Mar de Fortaleza (11 de junho), apresentação em painel na Semana de Meio Ambiente de Santos (7 de junho) e apoio à 7ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, em São Paulo.
O jogo global para que todo mundo #AcabeComAPoluiçãoPlástica

A ONU Meio Ambiente lançou o jogo global #AcabeComAPoluiçãoPlástica para incentivar uma mudança nos hábitos de consumo de plásticos descartáveis.

O desafio começou com influenciadores digitais e celebridades, como o ator Adrian Grenier, postando um vídeo ou foto nas suas redes sociais mostrando a mudança de comportamento que decidiram adotar e que troca algum item de plástico descartável por alternativas mais sustentáveis.

Nesse vídeo ou foto eles marcam três pessoas ou organizações, desafiando-as a mostrar a sua mudança nas próximas 24 horas para combater a poluição plástica e assim por diante, envolvendo cada vez mais pessoas ao redor do mundo.

É rápido e simples participar: decida qual mudança você vai adotar em seu dia a dia para acabar com a poluição plástica, tire uma selfie ou grave um vídeo mostrando sua nova escolha, marque três pessoas/organizações/empresas para desafiá-las e use as hashtags #AcabeComAPoluiçãoPlástica e #DiaMundialdoMeioAmbiente em seus posts. Lembre-se de mencionar a @ONUMeioAmbiente.


ONU Meio Ambiente

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente


Movimentos de moradia realizam marcha nacional pelo direito à cidade e contra o desmonte da política de habitação


De 5 a 7 de junho, em Brasília, DF, a União Nacional por Moradia Popular (UNMP), a Central dos Movimentos Populares (CMP), a Confederação Nacional de Associações de Moradores (CONAM), o Movimento de Luta de Bairros e Favelas (MLB), o Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD) e o Movimento Nacional de Luta por Moradia (MNLM) estarão novamente nas ruas em defesa da democracia e da moradia popular. A Marcha Nacional pelo Direito à Cidade – Reforma Urbana Já! reunirá milhares de pessoas para lutar pela retomada da construção da política nacional de desenvolvimento urbano e dos investimentos no Minha Casa Minha Vida-Entidades, dentre outras reivindicações.

Os protestos contra o aumento no preço dos combustíveis que pararam o Brasil foram mais uma evidência de que o povo brasileiro está insatisfeito com tantos retrocessos na política econômica e social. O golpe em 2016 se perpetua e avança sobre a democracia, os direitos e conquistas históricas dos trabalhadores. Por isso, dizemos Fora Temer! Não podemos tolerar um presidente usurpador que implementa uma agenda ultraliberal, derrotada nas urnas por quatro eleições consecutivas.

Nas cidades, os efeitos são de piora significativa na vida das pessoas. Além do aumento no custo de vida, o País atinge novos recordes de desemprego e aumento nos índices de pobreza e miséria. Além disso, seguem completamente paralisadas as políticas voltadas à construção de moradia popular, urbanização de favelas, saneamento e mobilidade. O golpe também atinge espaços de participação social como as Conferências e Conselhos, igualmente paralisados. Por isso, é fundamental a soma de esforços entre os movimentos urbanos, trabalhadores e o conjunto dos movimentos sociais em defesa da democracia.

 
Na Marcha Nacional pelo Direito à Cidade, exigimos:

  • Retomada da construção da política nacional de habitação, com investimentos para a urbanização de favelas e regularização fundiária, assistência técnica e melhoria e produção habitacional
  • Retomada dos investimentos no Minha Casa Minha Vida para a faixa mais baixa de renda, com 100 mil unidades por ano para o MCMV Entidades e 100 mil unidades por ano na Habitação Rural
  • Retomada dos investimentos em saneamento e mobilidade
  • Realização da VI Conferência Nacional das Cidades em 2018
  • Retomada imediata do Conselho Nacional das Cidades
  • Retomada de um projeto nacional de desenvolvimento, que garanta nossa soberania, com geração de empregos, fortalecimento da nossa economia, em especial da nossa indústria
  • Revogação da EC 95/2016, que limita os gastos em políticas sociais, em especial da saúde, educação e redes de proteção social
  • Revogação das mudanças na legislação Trabalhista e da Terceirização, que fragilizam as relações de trabalho, a organização sindical do trabalhador e beneficiam somente o patrão
  • Proteção dos serviços públicos da ameaça da privatização, principalmente nos serviços de saneamento, energia e na defesa da Caixa Econômica Federal.

Em defesa da Democracia!

Pelo direito à moradia digna!


Pesquisa "Viver em São Paulo - Maio Ambienter"


Meio Ambiente

No próximo dia 13 de junho, a Rede Nossa São Paulo e o Ibope Inteligência, em parceria com o Sesc São Paulo, apresentarão os resultados da pesquisa "A cidade e o meio ambiente". O levantamento integra a série "Viver em São Paulo", que foi iniciada este ano e mensalmente tem divulgado dados sobre a percepção dos paulistanos em relação a temas importantes que afetam a vida na capital paulista.

Entre as perguntas relacionadas ao meio ambiente que os moradores da cidade responderam na pesquisa estão: de uma maneira geral, como você avalia a preservação e manutenção das praças e parques da cidade de São Paulo; você ou alguém que mora com você, separa os materiais recicláveis da sua casa dos materiais não recicláveis; e quais medidas você acredita que mais ajudariam a diminuir a poluição da cidade.

Propositalmente, a apresentação dos resultados do levantamento "A cidade e o meio ambiente" será realizada no Sesc Interlagos - um espaço com muito verde situado à beira da Represa Billings, na zona sul de São Paulo.

A atividade inclui um debate com especialistas e ativistas ambientais, que poderão avaliar os dados apurados na pesquisa. E também contará com uma apresentação do Sarau do Binho.

Como novidade, as organizações promotoras da iniciativa estão programando uma caminhada pelo centro campestre, para conhecer a biodiversidade do local. Por essa razão, a sugestão é que os participantes venham com tênis ou calçado confortável.



Para confirmar sua presença, clique aqui.