Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Pesquisa revela que sobreviventes do câncer devem mudar estilo de vida



Um estudo inédito divulgado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), nesta segunda-feira (4), Dia Mundial de Combate ao Câncer, revelou que o desafio para a saúde pública não termina com o fim do tratamento. Após sobreviver à doença é preciso cercar o paciente de cuidados integrais para evitar complicações futuras.

 

A pesquisa "Compreendendo a Sobrevivência ao Câncer na América Latina: Os casos do Brasil " foi desenvolvida ao longo de 2014 e 2015, com 47 pacientes do Rio de Janeiro e Fortaleza diagnosticados com câncer de próstata, mama, colo do útero ou leucemia linfoblástica aguda.

 

O estudo analisou o pós-tratamento dos sobreviventes para garantir mais qualidade de vida. E uma das principais conclusões é que a maioria reavaliou o estilo de vida e optou por comportamentos mais saudáveis, com dietas e práticas de exercício físico.

 

Esse foi o caso da advogada Leide Jane, de 47 anos.

 

Em janeiro de 2017, ela descobriu que tinha câncer de colo do útero. Após concluir o tratamento ela mudou velhos hábitos e a forma de encarar a vida.

 

O estudo identificou que a depressão, os problemas financeiros e dificuldade de reinserção no mercado de trabalho são apenas algumas das questões pelas quais os sobreviventes da doença precisam lidar. Como forma de garantir qualidade de vida, é preciso tratamento integral.

 

De acordo com o Inca, entender as necessidades dos pacientes que concluem o tratamento é essencial, já que a taxa de sobrevida da doença tem aumentado significativamente.  Em 2014, os sobreviventes do câncer somavam mais de 22 milhões de pessoas em todo o mundo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário