Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Rio de Janeiro sedia fórum internacional de segurança alimentar.



A Prefeitura do Rio de Janeiro realiza, nos dias 29, 30 e 31 de maio, o 1º Fórum Regional das Cidades Latino-Americanas Signatárias do Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana.

O evento reunirá no Museu de Arte do Rio (MAR) especialistas de Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Organização Mundial da Saúde (OMS) e Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT), além de representantes de cidades da América Latina e da Europa, de iniciativas brasileiras e do Poder Executivo.

O objetivo do encontro é debater políticas alimentares seguras, inclusivas e sustentáveis, que envolvam questões como diversidade, respeito à natureza e minimização do desperdício. Palestras, mesas-redondas e workshops discutirão durante três dias temas como "Alimentação e identidade", "Território e sustentabilidade" e "Realizações e desafios dos sistemas de alimentação urbana da América Latina".

Mais de 70 especialistas estarão envolvidos nestes debates que incentivam a troca de experiências e o diálogo. Ao final do evento, as autoridades participantes assinarão a Declaração do Rio, um documento com compromissos gerais para uma aliança latino-americana das cidades signatárias do Pacto de Milão.

O Rio de Janeiro foi escolhido entre as 187 cidades signatárias do Pacto de Milão para receber o fórum pelo seu protagonismo no setor de segurança alimentar. Um dos destaques é o Programa de Restaurantes Populares que, desde a municipalização na atual gestão, já serviu 2,7 milhões de refeições com cardápio saudável a preços simbólicos nas unidades de Bangu, Campo Grande e Bonsucesso.

Outro exemplo bem-sucedido de política alimentar da Prefeitura do Rio de Janeiro é o Programa de Alimentação Escolar, que oferece diariamente 1,5 milhão de refeições saudáveis em unidades de ensino.

Já o Circuito Carioca de Feiras Orgânica gera trabalho e renda por meio do consumo de produtos saudáveis e sustentáveis e reúne mais de 200 pontos de venda e de consumo de produtos certificados.
O que é o Pacto de Milão

O Pacto de Milão sobre Política de Alimentação Urbana foi assinado em outubro de 2015 na cidade italiana que dá nome ao documento e representa um dos legados mais importantes da EXPO 2015, evento mundial cujo tema foi "Nutrir o Planeta, Energia para Vida".

O objetivo da iniciativa é criar uma rede de cidades comprometidas com o desenvolvimento e a implementação de sistemas alimentares sustentáveis. O Pacto estimula a troca de ideias e de sugestões sobre como abordar concretamente problemas comuns sobre temas que envolvam alimentação.

Estão previstas duas outras reuniões este ano. O 3º Fórum Regional das cidades signatárias africanas de língua francesa será realizado em Niamey, Níger, em junho. Em outubro será a vez de Montpellier, França, sediar o 5º Encontro anual das cidades signatárias do Pacto.

Sensor detecta monóxido de carbono e pode evitar casos de intoxicação.

Uso do dispositivo criado no Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais – um CEPID da FAPESP – pode se tornar obrigatório na Argentina, onde são registradas mais de 250 mortes anuais por inalação do gás tóxico (foto: CDMF)



Um sensor desenvolvido por pesquisadores do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF) pode ajudar a evitar casos de intoxicação por monóxido de carbono (CO) – possível causa das mortes de seis turistas brasileiros ocorridas no Chile, na semana passada (22/05).

Esse tipo de acidente é comum em vários países em que se utiliza aquecimento a gás, incluindo o Brasil. Na Argentina, por exemplo, são registradas 250 mortes e 2 mil casos de intoxicação pelo gás tóxico todos os anos.

O dispositivo foi apresentado no dia 24 de maio durante o Simpósio de Pesquisa e Inovação em Materiais Funcionais, promovido na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) pelo CDMF – um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiado pela FAPESP.

Nas próximas semanas, o Congresso Nacional da Argentina vai votar um projeto de lei que torna obrigatória no país a inclusão do sensor em todos os aparelhos a gás para uso domiciliar. Em carta enviada na semana passada a Marco Antonio Zago, presidente da FAPESP, os deputados argentinos Eduardo Bucca e Fernanda Raverta, autores da norma, enfatizaram a importância do projeto no combate a intoxicações por CO e agradeceram o apoio da FAPESP.

"O sensor pode ajudar a evitar mortes por inalação de monóxido de carbono tanto nos países vizinhos como no Brasil, onde esse tipo de acidente é registrado principalmente na região Sul e, mais recentemente, no Nordeste, devido ao uso de aquecimento a gás", disse Elson Longo, diretor do CDMF e um dos autores do dispositivo, à Agência FAPESP. O projeto tem a participação de pesquisadores da UFSCar e das universidades Estadual Paulista (Unesp), campus de Guaratinguetá, de Mar del Plata, da Argentina, Jaime I, da Espanha, e de Ferrara, da Itália.

O dispositivo consiste em um circuito integrado, do tamanho de um chip, com um sensor eletrônico de CO e outro de metano, já desenvolvidos e patenteados pelos pesquisadores.

Os sensores são compostos por óxidos semicondutores, como de cério, em escala nanométrica (da bilionésima parte do metro). Em contato com o CO e outros gases, esses óxidos apresentam uma mudança de resistência, que é processada e interpretada pelo circuito eletrônico como um sinal para interromper o fluxo de gás no equipamento em que o sistema está instalado, como um aquecedor de água.

"O monóxido de carbono é produzido pela combustão incompleta do gás natural pela falta de oxigênio no ambiente. Por isso, ao detectar a presença de CO acima do limite de segurança, o sensor corta o fluxo de gás natural para o queimador", explicou Miguel Adolfo Ponce, professor da Universidade de Mar del Plata e um dos idealizadores do projeto.

De acordo com o pesquisador, a exposição a uma concentração de 0,02 partes por milhão (ppm) de CO não causa efeitos nocivos à saúde. Acima desse nível começa a causar sintomas perceptíveis, como sonolência e dor de cabeça. A exposição a 1.400 ppm de CO por uma hora é capaz de levar à morte.

Alguns fatores dificultam a detecção de CO no ambiente. O gás é incolor, insípido, inodoro e não irrita as mucosas. A única forma de percebê-lo é pela coloração da chama do queimador – se ela não estiver azulada, característica da combustão completa do gás natural pela quantidade correta de oxigênio, pode ser um indício de emissão de CO, afirmou Ponce.

Os aparelhos a gás responsáveis pela maior quantidade de acidentes domésticos por inalação de CO são os aquecedores de água para banho, causadores de 87% dos acidentes, seguidos pelos calefatores (8%) e fogões (5%), disse o pesquisador.

"O sistema que desenvolvemos pode ser facilmente instalado nesses equipamentos de combustão de gases tanto residenciais como comerciais", afirmou Ponce.

O dispositivo já gerou duas patentes e despertou o interesse de uma empresa argentina e outra brasileira, dispostas a fabricá-lo em conjunto.

Com base nessa tecnologia, os pesquisadores desenvolveram outro tipo de sensor que pode ser acoplado a um smartphone e é capaz de detectar e indicar a presença de CO não só pela mudança da resistência elétrica, mas também pela cor, e indicar o perigo por meio de um aplicativo.

"Esse sistema de monitoramento pode ser usado em minas, onde também são registradas mortes por intoxicação por monóxido de carbono", disse Longo.


Elton Alisson, de São Carlos | Agência FAPESP

Oportunidade de trabalho.

Cidades latino-americanas criam aliança para melhorar gestão de recursos hídricos

Acesso a água e saneamento em espaços públicos é tema de desafio online para jovens. Foto: Banco Mundial/Allison Kwesell
Cidades latino-americanas discutiram desafios de gestão dos recursos hídricos frente às mudanças climáticas. Foto: Banco Mundial/Allison Kwesell



Os representantes das cidades concordaram que mesmo tendo características específicas, as soluções para garantir segurança hídrica nas megacidades podem ser compartilhadas. Participaram da conferência representantes de Bogotá, Buenos Aires, Cidade do México, Rio de Janeiro, São Paulo, Lima e Santiago.


Mais de 100 representantes de megacidades latino-americanas, de empresas de água e saneamento e de universidades reuniram-se em São Paulo (SP) nesta semana (7 e 8) em evento organizado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) para discutir desafios e soluções relacionados à gestão da água diante das mudanças climáticas.

O encontro também debateu a criação de uma Aliança Regional de Megacidades para a Água e o Clima. Participaram da conferência representantes de Bogotá, Buenos Aires, Cidade do México, Rio de Janeiro, São Paulo, Lima e Santiago.

"Estamos aqui hoje para criar uma plataforma de cooperação entre as megacidades para que elas encontrem juntas as soluções para a gestão dos recursos hídricos, que já se tornam escassos em grande parte delas, e para a mudança climática, que deixa o cenário ainda mais desafiador", disse o especialista do Programa Hidrológico Internacional da UNESCO, Alexandros Makarigakis.

"A ideia é que as megacidades descubram o poder que têm para resolver seus problemas em relação à sua mais básica segurança hídrica", completou.

O presidente do Sindicato Interdepartamental de Saneamento da Região Metropolitana de Paris (SIAAP, na sigla em francês), Joakim Giacomoni-Vincent, alertou que todos os países têm os mesmos problemas no que se refere às mudanças climáticas. "Há dez anos, estávamos falando sobre isso como um problema futuro, e agora estamos tendo que resolvê-lo".

No primeiro dia de evento, participantes discutiram os desafios atuais e futuros da mudança climática que impactam a segurança hídrica na região da América Latina e Caribe, os riscos para suas atividades econômicas e estabilidade social, e as possíveis soluções para essas questões. As megacidades participantes apresentaram seus sistemas de água e saneamento, desafios atuais, questões emergentes e formas de planejar e gerir a água no futuro.

Na opinião do diretor da Associação de Pesquisa e Governos Locais sobre Água (ARCEAU Île-de-France), Jean-Claude Deutsch, para além das características de cada megacidade, existem alguns pontos macros em comum, e a preocupação com os recursos hídricos é um deles.

Os representantes das cidades concordaram que mesmo tendo características específicas, as soluções para garantir segurança hídrica nas megacidades podem ser compartilhadas. Em São Paulo, por exemplo, por estar longe do mar, de lagos e de rios caudalosos, "a cidade acaba se tornando um grande laboratório de ideias para fornecer água segura para a população", explicou o secretário executivo de Relações Internacionais do município, Luiz Álvaro.

O diretor de regulação da ANA, Oscar Cordeiro Netto, disse acreditar que "a distribuição dos recursos hídricos é um desafio em todo o Brasil, pois apesar de termos abundância de água doce, grande parte da população está onde a água não está". Para ele, esse fato ainda pode se agravar e gerar conflitos, pois "a demanda por água deve aumentar 30% nos próximos 20 anos no país".

No segundo dia, um grupo restrito de especialistas conheceu melhor o funcionamento da Aliança de Megacidades para a Água e o Clima (MAWAC, na sigla em inglês) e discutiu o Termo de Referência para uma aliança regional na América Latina e Caribe.

Eles concordaram com a criação desta aliança e a ideia de que, daqui para frente, ela deve melhorar a Cooperação Sul-Sul entre as megacidades latino-americanas e caribenhas, nos campos relacionados a pesquisa, soluções técnicas, educação, informação e políticas públicas relacionadas à gestão hídrica.

Para o presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP), Benedito Braga, os grandes impactos das mudanças climáticas se fazem sentir no setor dos recursos hídricos. "Seja pelas enchentes mais intensas e frequentes, seja pelas secas mais prolongadas e frequentes. A agenda da adaptação é fundamental e, nesse contexto, uma aliança para tratar do tema mudanças climáticas e água é extremamente importante".

"Soluções criativas e inovadoras, capazes de aglutinar meios e recursos para melhorar a vida nas megacidades devem estar nas nossas mesas de discussão. A aliança das megacidades se torna uma solução inteligente de ajuste da gestão hídrica aos cenários das mudanças climáticas", disse o secretário executivo do Comitê Gestor dos Serviços de Água e Esgoto da Capital Paulista, Marco Palermo.

O secretário-executivo da organização Governos Locais para a Sustentabilidade (ICLEI), Rodrigo de Oliveira Perpétuo, complementou dizendo que "a cooperação multinível e multi-atores é o caminho para o fortalecimento de uma aliança regional para a gestão das águas nas megacidades".

O evento foi realizado pela Sede da UNESCO, pelo Escritório Regional da UNESCO para Ciências na América Latina e Caribe (UNESCO em Montevidéu) e pelo Escritório da UNESCO no Brasil, no âmbito do Programa Hidrológico Internacional da UNESCO (IHP, na sigla em inglês). O encontro também serviu de preparação para a Conferência Internacional da MAWAC (EauMega 2020), que acontecerá na Sede da UNESCO, em Paris (França), no próximo ano.

ONU realiza evento em Brasília (DF) para o Dia Internacional contra a LGBTIfobia

Foto: ONU Brasil


O Sistema ONU no Brasil, juntamente a missões diplomáticas e representantes de governos, academia e da sociedade civil, reuniram-se na quarta-feira (15) em Brasília (DF) para lembrar o Dia Internacional contra a LGBTIfobia, ou IDAHOT na sigla em inglês, cujo lema deste ano é "Justiça e Proteção para Todas".


No evento, a campanha da ONU Livres & Iguais e parceiros lançaram o novo vídeo global sobre os direitos humanos das pessoas LGBTI, bem como o Manual de Replicação do Projeto Trans-Formação, iniciativa de formação de lideranças trans que já ocorreu duas vezes no Distrito Federal e agora acontece em Salvador (BA).

O IDAHOT foi organizado pela primeira vez em 2004 e é atualmente comemorado em mais de 100 países. A data marca a retirada da homossexualidade da classificação internacional de doenças (CID) pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Em 2019, também celebra a retirada das identidades trans da lista de doenças e transtornos mentais da CID, um avanço para a justiça e a proteção dessa população.

Apesar dos avanços, as pessoas LGBTI ainda são frequentemente alvo de violências e crimes de ódio no mundo. No Brasil, de acordo com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, houve em 2018 um aumento de 127% nas denúncias de homicídios de pessoas LGBTI.

Segundo dados de organizações da sociedade civil, uma pessoa é assassinada a cada 27 horas no Brasil por conta de sua orientação sexual ou identidade de gênero, colocando o Brasil no topo do ranking de países que registram mais agressões contra pessoas LGBTI.

O coordenador-residente da ONU no Brasil, Niky Fabiancic, lembrou que a comunidade LGBTI conquistou uma série de direitos importantes no Brasil nos últimos anos, como o reconhecimento da união entre pessoas do mesmo gênero e, mais recentemente, a retificação do nome civil de pessoas trans sem a necessidade de qualquer intervenção cirúrgica e laudo médico.

Ele ressaltou, contudo, que em várias situações ainda falta muito para tornarmos efetivo o direito de não ser discriminado ou discriminada
simplesmente por amar alguém do mesmo gênero, por se reconhecer do gênero oposto ao que lhe foi atribuído ao nascer ou por suas características sexuais.

A campanha da ONU Livres & Iguais no Brasil lançou um vídeo global, no âmbito do IDAHOT 2019, com o objetivo de renovar o compromisso das Nações Unidas pela igualdade e dignidade de todos os seres humanos, independentemente da sua orientação sexual, expressão/identidade de gênero ou características sexuais.

No vídeo, ativistas LGBTI são retratados e retratadas como defensores e defensoras dos direitos humanos e do progresso contra a discriminação e o preconceito. O material foi disseminado com apoio das Campeãs da Igualdade da Livres & Iguais no Brasil.

Confira o vídeo na íntegra aqui.



Também foi lançado na quarta-feira o Manual de Replicação do Trans-Formação, um projeto-piloto desenvolvido pela ONU Brasil que visa a formação política o fortalecimento de pessoas trans, bem como de suas redes, promovendo articulação com instituições e espaços de
poder.

Duas edições-piloto já foram realizadas no Distrito Federal com o apoio de organizações da sociedade civil, da academia, do governo e do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Na tentativa de registrar as experiências das duas primeiras edições do Trans-Formação, bem como guiar os processos de replicação do projeto em outras localidades — como a atual edição em Salvador e Região Metropolitana —, a ONU Brasil elaborou um Manual de Replicação do Trans-Formação.

Confira aqui o material.

UNFPA: direitos humanos são inerentes a todas as pessoas
Em comunicado para a data, a diretora-executiva do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), Natalia Kanem, disse que os direitos humanos são inerentes a todas as pessoas, sem distinção, que têm o direito a uma vida livre de violência, perseguição, discriminação e estigma.

"A violência generalizada, discriminação e exclusão enfrentadas pelas pessoas lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, queer e intersex (LGBTQI) e suas famílias em todo o mundo, constituem graves violações dos direitos humanos e impedem os esforços para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e sua promessa de não deixar ninguém para trás", disse.

"Em várias partes do mundo, as relações consensuais entre pessoas do mesmo sexo permanecem criminalizadas, expondo milhões de indivíduos ao risco de prisão e até de morte. A violência homofóbica e transfóbica ocorre em todos os contextos e cenários. Pessoas trans lutam para obter reconhecimento legal de sua identidade de gênero e enfrentam diariamente a discriminação e o estigma, seja no trabalho, na escola ou na tentativa de garantir serviços básicos de saúde, de moradia e outras necessidades", salientou.

O UNFPA, a agência de saúde sexual e reprodutiva das Nações Unidas, atende as necessidades específicas das pessoas LGBTQI. Em todo o mundo, apoia a saúde, a educação sexual e iniciativas de defesa que ajudam as comunidades marginalizadas e potencializam os jovens, incluindo os jovens LGBTQI, que muitas vezes são deixados para trás.

OIT: garantir justiça e proteção para as pessoas trabalhadoras LGBTI
O diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder, disse que "se quisermos um futuro do trabalho centrado no ser humano, que não deixe ninguém para trás, devemos incluir as pessoas trabalhadoras LGBTI".

"Há 50 anos, eclodiram manifestações nas ruas de Nova Iorque, em protesto contra a discriminação e a violência que naquele momento era enfrentada pela comunidade de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais. Conhecidos como as manifestações de Stonewall, esses eventos são lembrados agora como um dos momentos históricos mais importantes na luta pelos direitos LGBTI", disse.

"Desde então, temos observado progressos significativos, com aproximadamente 80 países que aprovaram leis que proíbem a discriminação fundamentada na orientação sexual, identidade de gênero, expressão de gênero ou características sexuais. No entanto, o ritmo de avanço é muito lento e, em alguns casos, está retrocedendo. A realidade é que 50 anos depois das manifestações de Stonewall, muitas pessoas LGBTI continuam enfrentando níveis elevados de discriminação, violência, assédio, perseguição e estigma, inclusive no local de trabalho."

Ryder lembrou que, apesar de algumas leis e políticas progressistas, as pessoas trabalhadoras LGBTI com frequência se encontram sem proteção jurídica devido a seus custos proibitivos, procedimentos intermináveis, ou à falta de confiança no sistema. De fato, a essas pessoas é negada justiça e proteção.

"Se realmente quisermos um futuro do trabalho centrado no ser humano, que não deixe ninguém para trás, devemos incluir as pessoas trabalhadoras LGBTI. Adicionalmente, devemos garantir que as políticas e as leis não criminalizem as pessoas trabalhadoras LGBTI por causa de quem amam ou quem são."


Por: ONU no Br

Expansão desordenada aumenta risco de falta de água na macrometrópole paulista



Do total de 33 milhões de habitantes da macrometrópole paulista, 3,8 milhões vivem hoje em condições precárias. Essas pessoas estão distribuídas em 113 dos 174 municípios da área, que engloba as regiões metropolitanas de São Paulo, Campinas, Baixada Santista, Sorocaba, Vale do Paraíba e Litoral Norte, além das aglomerações urbanas de Jundiaí, Piracicaba e Bragança Paulista.

Estima-se que o território ocupado por essa parcela da população vivendo em condições precárias totalize 31,5 mil quilômetros e que esteja se expandindo em direção a áreas de mananciais e de preservação ambiental.

Essa ocupação urbana desordenada tem aumentado na região – que concentra 20% do patrimônio natural protegido do Estado de São Paulo – os riscos de escassez hídrica e as vulnerabilidades sociais e ambientais às mudanças climáticas.

A avaliação foi feita por pesquisadores participantes do "Fórum de Governança Ambiental da Macrometrópole Paulista", realizado em abril no Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (IEE-USP).

Organizado no âmbito de um projeto apoiado pela FAPESP, o evento reuniu professores, pesquisadores e estudantes de pós-graduação com projetos em andamento sobre questões ambientais relacionadas à macrometrópole paulista.

"Ao analisar a distribuição populacional na região, é possível identificar um padrão de ocupação disperso e descontrolado associado à renda", disse Angélica Aparecida Benatti Alvim, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

"Há uma concentração de residências de pessoas de alta e média renda próximas aos principais centros urbanos, onde há disponibilidade de empregos e atividades de comércio, serviços, polos de alta tecnologia e infraestrutura de transporte. Já as moradias da população de baixa renda situam-se em assentamentos precários localizados, de modo espraiado, em áreas de maior fragilidade e de preservação ambiental", disse.

De acordo com a pesquisadora, as principais regiões em que tem sido observado o avanço de aglomerados urbanos precários em áreas de preservação ambiental são as metropolitanas de São Paulo, Campinas, Baixada Santista e Vale do Ribeira.

A ocupação desordenada dos mananciais contribui para maior escassez da água nas regiões mais populosas, especialmente na Região Metropolitana de São Paulo, e coloca também em risco a sustentabilidade de regiões vizinhas à macrometrópole, como é o caso da região do Vale do Ribeira. Segundo estudos da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), as áreas mais populosas dessas regiões podem ter de emprestar água de outras regiões em um futuro próximo, afirmou Alvim.

"Também percebemos que áreas próximas à Serra do Japi, em Jundiaí, no Vale do Paraíba e no litoral norte de São Paulo têm sido pressionadas pela ocupação desordenada", disse.

Números subestimados

O último Censo Demográfico realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicou que havia 2,1 milhões de pessoas morando em aglomerados subnormais (favelas) na Região Metropolitana de São Paulo. Já na Região Metropolitana da Baixada Santista havia 297 mil e, na de Campinas, pouco mais de 234 mil.

Esses 2,1 milhões de pessoas vivendo em condições precárias na Região Metropolitana de São Paulo estariam distribuídos em 596 mil domicílios. Desse total, 148 mil estariam situados às margens de córregos, rios e áreas de proteção permanente (APPs), 10 mil em áreas de preservação ambiental e quase 2 mil em aterros sanitários, lixões e outras áreas contaminadas, ainda de acordo com dados do IBGE. Porém, esses números podem estar subestimados.

Um estudo feito por pesquisadores do Centro de Estudos da Metrópole (CEM) – um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) apoiados pela FAPESP, revelou que há 1,1 milhão de pessoas a mais em situação de precariedade do que registraram os dados do último Censo Demográfico do IBGE. Com isso, o total ajustado passou a ser de 3,8 milhões de pessoas (leia mais em http://agencia.fapesp.br/19263).

"Essa disparidade nos dados censitários indicada pelo Centro de Estudos da Metrópole aponta para o surgimento de pequenos núcleos de favela na macrometrópole paulista", disse Lúcia Maria Machado Bógus, professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e coordenadora do Observatório das Metrópoles.

No município de São Paulo, por exemplo, o processo de favelização tinha revertido e, nos últimos anos, devido ao desemprego e à deterioração das condições de vida da população de baixa renda, tem se observado uma piora, disse a pesquisadora. "Isso também tem sido notado em outros municípios da macrometrópole paulista."

De acordo com Bógus, outro fenômeno de ocupação urbana recentemente observado na macrometrópole paulista é a interligação das periferias de municípios vizinhos.

"Hoje já não é mais possível se referir à periferia de São José dos Campos, por exemplo, sem lembrar que se vincula à expansão periférica de municípios vizinhos", disse. "Outro caso que merece destaque é o da cidade de Jundiaí, onde o processo de expansão das periferias, ligando municípios limítrofes, também é bastante evidente."


Elton Alisson:  Agência FAPESP

Estudo indica potencial de vida em outros planetas da Via Láctea



Uma das condições que permitiram o surgimento e a manutenção da vida na Terra é o fato de o planeta ser geologicamente ativo, com terremotos e vulcões.

A atividade vulcânica, gerada pela movimentação das placas tectônicas sobre o manto terrestre (tectonismo) possibilita reciclar gases, como o dióxido de carbono, através do manto, da crosta, da atmosfera e dos oceanos. Dessa forma, contribui para tornar a Terra habitável ao manter a temperatura do planeta em condições ideais para a sobrevivência dos seres vivos, explicam os cientistas.

Um estudo feito por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) sugere a existência de outros planetas rochosos na galáxia em que se encontra a Terra – a Via Láctea – com altas probabilidades de apresentarem tectonismo, o que aumenta a chance de também serem habitáveis.

Os resultados do trabalho, apoiado pela FAPESP, foram publicados no Monthly Notices of Royal Astronomical Society (MNRAS). O estudo tem a participação de pesquisadores do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP) e de outras universidades e instituições de pesquisa no Brasil e no exterior.

"Verificamos que há condições geológicas favoráveis para o surgimento e a manutenção da vida em exoplanetas rochosos, e que ela [a vida] pode estar espalhada por todo o disco da galáxia e ter se originado em qualquer época da evolução da Via Láctea", disse Jorge Luis Melendez Moreno, professor do IAG-USP e um dos autores do estudo, à Agência FAPESP.

Os pesquisadores determinaram os parâmetros superficiais, as massas e as idades de 53 gêmeas solares, situadas em diferentes pontos da Via Láctea. Além disso, analisaram a composição química dessas estrelas gêmeas solares – chamadas assim por terem temperatura, gravidade e composição química superficiais parecidas com as do Sol –, a fim de avaliar a possibilidade de existência de outros planetas rochosos em torno delas.

As análises foram feitas por meio de um espectrógrafo chamado HARPS, instalado no telescópio de 3,6 metros do Observatório de La Silla, do European Southern Observatory (ESO), no Chile. O equipamento registra o espectro eletromagnético de "cores" dos corpos celestes, dos comprimentos de onda mais curtos (ultravioleta) aos mais longos (infravermelho).

As análises indicaram que as estrelas apresentam grande abundância de tório – elemento radioativo com isótopos instáveis que, ao se romper, em razão da instabilidade atômica, se divide em isótopos menores que emitem energia, processo conhecido como decaimento radioativo.

A energia liberada pelo decaimento de isótopos instáveis, tanto de tório como de outros elementos radioativos, como urânio e potássio, dá origem à movimentação de magma (convecção do manto) e à atividade tectônica da Terra. Parte do calor interno do planeta é resquício do calor primordial da formação da Terra, mas pelo menos a metade da energia é devida ao decaimento radioativo.

Dessa forma, as concentrações iniciais desses elementos radioativos em um planeta rochoso contribuem de modo indireto para a habitabilidade em sua superfície, especialmente devido ao longo tempo de decaimento, em escalas de bilhões de anos, explicam os pesquisadores

"As concentrações de tório nas estrelas gêmeas indicam que há uma grande quantidade de energia disponível pelo decaimento desse elemento radioativo para manter a convecção do manto e o tectonismo em potenciais planetas rochosos que possam existir em torno de gêmeas solares", afirmou Rafael Botelho, doutorando em Astrofísica no Inpe e primeiro autor do estudo.

A abundância inicial de tório nas gêmeas solares foi comparada com as de ferro, silício – um indicador da espessura e massa do manto convectivo em planetas rochosos – e mais dois elementos pesados: o neodímio e o európio. As medidas indicaram que a razão tório-silício em gêmeas do Sol aumenta com o tempo, e que foi maior ou, no mínimo, igual ao valor solar desde a formação do disco da galáxia da Terra.

"Há indícios de que o tório também é abundante em gêmeas solares velhas. Isso significa que o disco da Via Láctea pode estar repleto de vida", disse André Milone, pesquisador do Inpe e orientador da pesquisa de Botelho.

O artigo Thorium in solar twins: implications for habitability in rocky planets, de R. B. Botelho, A. de C. Milone, J. Melendez, M. Bedell, L. Spina, M. Asplund, L. dos Santos, J. L. Bean, I. Ramirez, D. Yong, S. Dreizler, A. Alves-Brito e J. Yana Galarza, pode ser lido em academic.oup.com/mnras/article-abstract/482/2/1690/5134163?redirectedFrom=fulltext


Elton Alisson    Agência FAPESP

“Equidade de gênero na ciência é uma grande preocupação”, diz diretora da NSF



Aos 71 anos, a astrofísica France Córdova dirige a principal agência de fomento à pesquisa dos Estados Unidos e uma das mais importantes do mundo, a National Science Foundation (NSF), cujo orçamento anual ultrapassa os US$ 8 bilhões.

E este não é o único posto de liderança que ocupou em sua trajetória. Córdova foi a primeira mulher e a pessoa mais jovem a se tornar cientista-chefe da agência espacial Nasa e também a primeira reitora da Purdue University, no estado de Indiana.

A incursão no território até então dominado por homens não foi livre de obstáculos. Ainda criança, foi desencorajada pela escola e pela família a seguir carreira nas áreas conhecidas como STEM (Science, Technology, Engineering and Mathematics). Durante o ensino médio, precisou pedir autorização à direção do colégio que frequentava na Califórnia para assistir às aulas de Física, exclusivas para meninos.

Tornou-se bacharel em Inglês pela Stanford University em 1969, mesmo ano em que o homem chegou à Lua. O feito a motivou a seguir sua vocação e decidiu tornar-se astrofísica. Dez anos depois, concluiu o doutorado em Física pelo California Institute of Technology (Caltech) – foi uma de duas mulheres na classe de 18.

Trabalhou no Grupo de Astronomia Espacial e Astrofísica no Laboratório Nacional de Los Alamos, de 1979 a 1989, e chefiou o Departamento de Astronomia e Astrofísica na Pennsylvania State University, de 1989 a 1993. De 1993 a 1996, atuou como a principal interface entre a administração da Nasa e a comunidade científica.

Tornou-se chanceler da University of California em Riverside em 2002 e reitora da Purdue University em 2007. Foi nomeada para o Conselho de Regentes da Smithsonian Institution em 2009, do qual tornou-se presidente em 2012.

Em 2014, foi nomeada pelo presidente Barack Obama para comandar a NSF. Sob sua direção, a agência financiou o projeto Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory (LIGO), que detectou ondas gravitacionais pela primeira vez em 2015 – façanha premiada com o Nobel de Física em 2017.

Córdova esteve no Brasil entre os dias 1º e 3 de maio para participar da 8ª Reunião Anual do Global Research Council (GRC), que reuniu dirigentes de agências de fomento de 50 países nos cinco continentes. O encontro foi organizado em São Paulo pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), pelo Consejo Nacional de Investigaciones Científicas e Técnicas (Conicet), da Argentina, e pela German Research Foundation (DFG), da Alemanha.

Na ocasião, concedeu uma entrevista à Agência FAPESP, na qual falou sobre os projetos da NSF para estimular a participação feminina na ciência. Disse também que a agência está discutindo o Plan S e outras iniciativas que visam promover o acesso aberto às publicações científicas. "Temos um período de embargo de um ano até que as publicações fiquem disponíveis para todos. Esta é a posição oficial da NSF no momento, mas não significa que isso não pode mudar."

Confira a seguir os principais trechos da conversa.

Agência FAPESP – A NSF usa dois critérios para o financiamento de projetos: "mérito intelectual", que é o potencial para avançar o conhecimento, e "impactos mais amplos", o potencial para beneficiar a sociedade. Mas, no caso da pesquisa básica, o impacto social e econômico nem sempre é possível de prever com antecedência, não?
France Córdova – Não é preciso adivinhar o impacto que a pesquisa terá em 10 ou 100 anos, até porque no caso da pesquisa movida por curiosidade [curiosity driven research] é difícil saber qual será o verdadeiro resultado. Mas é preciso demonstrar por que o projeto é importante para as pessoas. Cerca de 50% das propostas que recebemos mencionam impactos como aumentar a representatividade das mulheres ou de pessoas com baixo nível socioeconômico. Ou apresentam alguma estratégia para o treinamento da próxima geração. Todas as propostas devem incluir um plano indicando como os dados serão preservados e geridos e também um plano de impacto, que deve envolver escolas e buscar o alcance público.

Agência FAPESP – A senhora foi cientista-chefe da Nasa, foi a primeira mulher a dirigir a Purdue University e hoje dirige a agência de fomento com o maior orçamento do mundo. Isso significa que podemos considerar a equidade de gênero na ciência uma questão resolvida nos Estados Unidos? A NSF apoia programas para estimular a participação feminina na ciência?
Córdova – Equidade de gênero é uma grande preocupação nossa e temos várias ações em andamento. Há muitas áreas, incluindo a minha, Física, em que a representação feminina ainda é muito baixa. E também Engenharia e Matemática. O problema é menor nas Ciências Biológicas e Sociais. O panorama está mudando de forma constante e lenta. Temos um programa chamado Advance, que busca abordagens sistêmicas para aumentar a participação e o avanço das mulheres em carreiras STEM. A ideia é encorajar as mulheres a buscar postos de liderança nas universidades. Fui pesquisadora principal desse programa quando dirigia a Purdue University. Quando vim para a NSF teve início o programa Includes [acrônimo para "inclusão de comunidades de aprendizes de descobridores sub-representados em engenharia e ciência em toda a nação"], que envolve mais de 70 programas-piloto por todo o país com diferentes estratégias para ampliar a representação da mulher e de outras minorias. Abrange desde programas de computação para crianças pequenas até aumentar o número de faculdades e disciplinas em áreas estratégicas. Algumas das estratégias são lideradas por grupos comunitários, outras por universidades, fundações e sociedades científicas. Criamos uma rede para que esses projetos se comuniquem. Recentemente, concedemos um financiamento para que os participantes se reunissem para trocar experiências e aprender boas práticas uns com os outros. Nossa expectativa é que isso possibilite algo importante: o escalonamento dessas iniciativas, para que não morram quando o projeto acabar. Queremos descobrir como fazer projetos que se tornem de fato exemplos de boas práticas que outros possam facilmente copiar, de modo que floresçam em muitos outros lugares.

Agência FAPESP – Quais desafios a senhora teve de enfrentar para alcançar posições de liderança?
Córdova – Tenho a opinião de que todos temos desafios, não importa quem você seja ou qual trabalho está fazendo. Um motorista de caminhão enfrenta muitos desafios simplesmente para ir de uma parte a outra do país. Sempre há obstáculos. Sim, mulheres na área de ciência e tecnologia enfrentam tipos particulares de desafios. Quando você é um motorista, aprende com colegas de profissão em quais lugares não se deve parar, qual estrada pegar, qual é a melhor tecnologia para fugir do trânsito. Você aprende à medida que experimenta a estrada e encontra pessoas solícitas e capazes de dar boas orientações. E você aprende quais são os obstáculos e como outras pessoas superaram esses problemas. E então você tenta coisas novas: ou contorna o obstáculo ou tenta atravessá-lo. Mas, claro, tenho tido muitos desafios pelo caminho e algumas raras vezes encontrei pessoas apegadas à posição de poder. Mas sempre há quem possa te apoiar e é preciso aceitar essa ajuda.

Agência FAPESP – Qual é sua avaliação sobre a reunião do GRC e como as discussões realizadas durante o evento poderão ajudar as agências a desenvolver melhor seu trabalho?
Córdova – Eu já aprendi muito com o GRC. Esta é a sexta reunião de que participo e sempre faço mais amigos e aprendo muito. Em cada reunião escolhemos tópicos diferentes para discutir. O que o GRC faz melhor é reunir financiadores de pesquisa para conversar sobre os desafios comuns e quais soluções funcionaram bem. É muito interessante poder levar esse conhecimento para casa e discutir como aplicá-lo. Perguntei aos integrantes do governing board [conselhor diretor] como suas agências têm se beneficiado e eles disseram que as discussões do GRC permitem alavancar as ações que desenvolvem em seus países. Quando os participantes se reúnem e acordam sobre determinados princípios, como fizeram novamente este ano em relação à avaliação de impacto da pesquisa, realmente faz a diferença. É uma motivação para as agências seguirem nessa direção. O progresso da ciência depende de financiamento e as agências de fomento precisam ser capazes de demonstrar os benefícios da pesquisa para as pessoas que repassam os recursos.

Agência FAPESP – Um dos temas discutidos nesta reunião foi a questão do acesso aberto às publicações científicas. A senhora tem uma posição sobre o Plan S e outras iniciativas do tipo?
Córdova – Estamos seguindo a política estabelecida em 2016, sob a administração anterior. Temos um período de embargo de um ano até que as publicações fiquem com acesso aberto e disponível para todos. Esta é a posição oficial da NSF no momento, mas não significa que isso não possa mudar. O acesso aberto é uma questão importante e estamos discutindo.

Agência FAPESP – Na sua avaliação, este é um bom momento para fazer ciência, considerando que há pessoas em posição de poder que negam as mudanças climáticas e que movimentos anticientíficos, como o terraplanismo, ganham destaque?
Córdova – Definitivamente sim. Quanto mais elementos anticientíficos surgem, mais temos de acelerar a ciência. Não somos uma agência regulatória, não fazemos regras sobre o que fazer com a ciência e também não fazemos políticas públicas. A NSF é uma agência de fomento à pesquisa e a melhor forma de desfazer mitos e entender a verdadeira natureza das coisas é financiando pesquisas sobre o assunto. É com boa pesquisa que aprendemos como o mundo funciona.

Agência FAPESP – A NSF pode sofrer um corte de 12% em seu orçamento se o congresso dos Estados Unidos aprovar a proposta apresentada pelo presidente Donald Trump. Qual é sua expectativa em relação a isso e o que acontecerá se o corte for aprovado?
Córdova – Por enquanto, vamos esperar o congresso decidir. Estamos gratos pelo dinheiro que recebemos e sempre dizemos ao congresso que faremos o melhor com o que nos for dado. Mas, se aprovado o corte no orçamento, é claro haverá corte na atividade. Sempre buscamos ser mais eficientes e efetivos. Estamos fazendo mais parcerias, com empresas como Amazon e Boeing, por exemplo, o que expande nossa base de recursos. O governo e a indústria podem trabalhar juntos e as parcerias público-privadas podem ser profundas. Não visar apenas ao lucro, mas também fazer avançar certas áreas de pesquisa importantes para o país. Mas isso não substitui o financiamento público, é apenas parte de nosso portfólio. As empresas buscam retorno no curto prazo, precisam dar satisfação e rentabilidade aos acionistas. Em nosso caso, muitos de nossos acionistas nem sequer nasceram. São nossos netos e bisnetos que vão se beneficiar da pesquisa que estamos conduzindo hoje. Boa parte de nosso portfólio é composta por pesquisa movida por curiosidade e nem temos ideia de quais descobertas vão surgir a partir delas ou quanto tempo levaremos para nos beneficiar com os resultados.

*Com Bruno de Pierro, da revista Pesquisa FAPESP.

Karina Toledo  |  Agência FAPESP

Confira o boletim da ONU Brasil #275

Boletim quinzenal da ONU


Manifestantes e jornalistas brasileiros correm                      de ataques no Brasil. Foto: INSI

Com apoio da UNESCO, Ministério Público lança relatório sobre violência contra comunicadores no Brasil

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e a Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (Enasp) promoveram nesta semana (30), em parceria com a UNESCO no Brasil, evento em celebração ao Dia Mundial da Liberdade de Imprensa (3).

No encontro, em Brasília (DF), foi lançado o relatório "Violência contra comunicadores no Brasil: um retrato da apuração nos últimos 20 anos", com informações sobre o andamento de casos de jornalistas brasileiros assassinados nos últimos 23 anos.

Foi divulgado também, pela primeira vez em português, o resumo executivo do relatório da diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, sobre assassinatos de jornalistas em todo o mundo, intitulado "Punir o crime, não a verdade: destaques do relatório de 2018 da diretora-geral da UNESCO sobre segurança dos jornalistas e o perigo da impunidade".

Em todo o mundo, de 3,8% a 8,8% das mulheres                        grávidas sofrem violência pelos chamados parceiros                        íntimos, segundo o UNFPA. Foto: EBC

OPAS, Ministério da Saúde e parceiros promovem treinamento para reduzir mortes maternas por hemorragia

O Ministério da Saúde do Brasil e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as Américas, iniciaram na quinta-feira (2), no município de São Paulo, a terceira edição do treinamento de instrutores da estratégia Zero Morte Materna por Hemorragia no Brasil.

O evento, que seguiu nesta sexta-feira (3) e capacitou nesta edição 36 profissionais de 22 estados brasileiros, contou com a parceria da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Portadores de hanseníase no Nepal - Foto:                          ILEP

Perita da ONU em hanseníase visita Brasil

A relatora especial para a Eliminação da Discriminação contra as Pessoas Afetadas pela Hanseníase e seus Familiares, Alice Cruz, visitará o Brasil entre os dias 7 e 14 de maio, quando conversará com autoridades e portadores da doença. Ela dará coletiva de imprensa no dia 14 de maio, em Brasília.


Raquel sofre de hidrocefalia, uma                            condição médica rara caracterizada pelo                            acúmulo de líquidos nas cavidades internas do                            cérebro. Foto: Jéssica Chiareli

Programa do governo federal apoia criança com hidrocefalia em município do RN

Lançado em 2016 pelo governo federal, o Programa Criança Feliz tem o objetivo de ampliar a rede de atenção à primeira infância no país, atendendo às especificações do Marco Legal da Primeira Infância (Lei 13.257/2016).

Quatro organismos das Nações Unidas no Brasil apoiam o programa desde sua concepção: Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Leia a história de Raquel, de 4 anos, que foi atendida pelo projeto no município de Parnamirim (RN).

Foto: Divulgação/Prêmio                            L'Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência

Premiação que incentiva mulheres na ciência prorroga inscrições até 10 de maio

Premiação desenvolvida pela L'Oréal, UNESCO e Academia Brasileira de Ciências (ABC) oferece bolsa de R$ 50 mil reais a sete jovens cientistas brasileiras.


Indígenas                                                            venezuelanos                                                            da etnia warao                                                            e eñepas em                                                            abrigo em Boa                                                            Vista,                                                            Roraima. Foto:                                                            OIM

OIM lança versão em inglês de relatório sobre migração indígena da Venezuela para o Brasil

O fluxo de venezuelanos para o Brasil ocorrido nesta década continua sendo um dos eventos migratórios mais importantes da América Latina e uma das histórias de mobilidade humana mais impactantes de todos os tempos na região. Cerca de 3,7 milhões de venezuelanos abandonaram seu país nos últimos quatro meses, incluindo centenas de indígenas.

Essa população — suas características e necessidades específicas — é foco de uma publicação da Organização Internacional para as Migrações (OIM), cuja versão em inglês foi publicada esta semana.

A mãe de                                                            Nelwin,                                                            Silviane                                                            Garcia, teve                                                            papel                                                            fundamental na                                                            melhora do                                                            menino e                                                            comemora a boa                                                            saúde do                                                            filho. Foto:                                                            UNICEF/Inaê                                                            Brandão

UNICEF garante assistência médica e nutricional para crianças venezuelanas em Roraima

Com um ano e nove meses, Nelwin Torres vive correndo e brincando com os primos e tios pelo abrigo Janokoida, para venezuelanos indígenas, em Pacaraima (RR). Mas nem sempre foi assim.

Quando ao chegou ao Brasil, em setembro último, o menino estava doente, desidratado, com perda de peso e indícios de desnutrição. Sem forças, parou de comer e de engatinhar. O relato é do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Programas                                                            de alimentação                                                            escolar podem                                                            fortalecer                                                            agricultura                                                            local e                                                            garantir que                                                            crianças                                                            frequentam o                                                            colégio. Foto:                                                            PMA / Vinícius                                                            Limongi

FAO e governo brasileiro contribuem com programa de alimentação escolar de Belize

Belize está tomando medidas para promover a alimentação escolar sustentável no país. O estabelecimento de um Comitê Técnico Nacional de Alimentação Escolar Sustentável permitirá uma série de ações estratégicas, como a promoção de uma alimentação escolar saudável e culturalmente aceitável, com produtos da agricultura familiar, além da promoção da educação alimentar e nutricional.

Foto:                                                            UNIC Rio/Paulo                                                            Portilho

Papel da inovação e do direito à propriedade intelectual nos esportes é tema de debate no Rio

O papel da inovação e do direito à propriedade intelectual (PI) no estímulo, proteção e suporte às práticas esportivas foi tema do ciclo de debates que a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) realizou em parceria com o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O evento, que aconteceu no final de abril no Rio de Janeiro, marcou o Dia Mundial da Propriedade Intelectual (26 de abril). O encontro teve como objetivo dar visibilidade às estratégias de PI no benefício às práticas de esportes com fins lucrativos, promovendo o desenvolvimento.

Queima de                                                            plástico no                                                            lixão de                                                            Dandora, em                                                            Nairóbi, no                                                            Quênia. Foto:                                                            James Wakibia

ONU alerta para poluição causada pela queima de lixo plástico

A incineração de resíduos plásticos a céu aberto é uma das principais fontes de poluição do ar. Em torno de 12% da maior parte dos resíduos sólidos municipais é feita de plástico, de um tipo ou de outro, e 40% de todo o lixo do mundo é queimado.

A ONU Meio Ambiente alerta para a necessidade de uma gestão sustentável do plástico, considerando todo o seu clico de vida. O organismo aponta ainda que medidas para proibir ou reduzir o consumo de plásticos descartáveis ajudam a combater também a poluição do ar.

Distribuição de contraceptivos e materiais de informação sobre HIV                                                            e Aids. Foto:                                                            UNFPA/UNFPA                                                            Brasil/Solange                                                            Souza

Agenda traça estratégia para ampliar acesso de populações-chave a tratamento para HIV

O Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais (DIAHV) do Ministério da Saúde lançou a "Agenda estratégica para ampliação do acesso e cuidado integral das populações-chave em HIV, hepatites virais e outras infecções sexualmente transmissíveis".

A agenda reúne um conjunto de estratégias para ampliar e qualificar as ações de saúde destinadas às populações consideradas chave e centrais para o enfrentamento das epidemias de HIV, hepatites virais e sífilis no Brasil — pessoas que usam álcool e outras drogas, travestis e pessoas trans, gays e outros homens que fazem sexo com homens, profissionais do sexo e pessoas privadas de liberdade. Tais grupos ainda enfrentam grandes obstáculos para obter acesso a cuidado integral e aos programas e serviços de prevenção, diagnóstico e tratamento em HIV e outras ISTs.

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) apoia a iniciativa.

Ilha do                                                            Meio,                                                            Território da                                                            Cidadania                                                            Marajó. Foto:                                                            Ana Euler

Agroextrativistas do Marajó participam de diagnóstico sobre bem-estar e desenvolvimento

Cerca de 300 agroextrativistas que atuam no manejo de açaizais, em ilhas do estuário amazônico – ponto de encontro entre o rio e o mar, na divisa dos estados Amapá e Pará –, foram convidados a participar do diagnóstico que resultará em indicadores de bem-estar e desenvolvimento da região.

A proposição dos indicadores se dá por meio de oficinas realizadas pela equipe do projeto Bem Diverso, fruto de parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com recursos do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF, na sigla em inglês).

Menina em                                                            Guaribas, no                                                            sul do Piauí,                                                            cidade                                                            escolhida para                                                            lançar o                                                            programa Fome                                                            Zero em 2003                                                            no Brasil.                                                            Foto: Agência                                                            Brasil

FAO participa de debate na Câmara dos Deputados sobre extinção do CONSEA

O direito humano à alimentação adequada e os impactos da medida provisória que extinguiu o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA) foram tema de audiências públicas promovidas em abril pelo Congresso Nacional.

No dia 25, no plenário da Câmara dos Deputados, o representante da FAO no Brasil, Rafael Zavala, considerou necessário um diálogo com diferentes setores para que sejam definidas as estratégias de promoção de uma alimentação saudável no país.

"Existe a necessidade urgente de analisar os eventuais impactos da extinção do CONSEA no combate à fome e, especialmente, frente aos desafios impostos pela obesidade. Globalmente, essa nova epidemia tem custado cerca de 2,5 trilhões de dólares aos cofres dos sistemas nacionais de saúde pública", alertou.

Existem                                                            100 milhões de                                                            pessoas sem                                                            acesso a                                                            sistemas                                                            adequados de                                                            saneamento na                                                            América Latina                                                            e 70 milhões                                                            não têm água                                                            encanada,                                                            segundo dados                                                            da ONU. No                                                            Brasil, menos                                                            da metade da                                                            população tem                                                            acesso a redes                                                            de esgoto.                                                            Foto: EBC

Evento em SP discute mudanças climáticas e gestão da água nas megacidades latino-americanas

Mais de 100 representantes de megacidades latino-americanas, assim como de universidades e empresas de água e saneamento, reúnem-se em São Paulo (SP) esta semana (7 e 8) para discutir desafios e soluções relacionados à gestão da água diante das mudanças climáticas.

A Conferência América Latina: Megacidades, Água e Mudança Climática acontece na Prefeitura de São Paulo, no auditório do Edifício Matarazzo (Viaduto do Chá, 15 – Centro, São Paulo – SP).

O evento é realizado pela sede da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), pelo Escritório Regional da UNESCO para Ciências na América Latina e Caribe (UNESCO em Montevidéu) e pelo Escritório da UNESCO no Brasil, no âmbito do Programa Hidrológico Internacional da Organização (IHP, na sigla em inglês).

Em Manaus, jogo de futebol defende solidariedade para refugiados e migrantes venezuelanos

Em Manaus (AM), a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) se uniu a times de futebol para promover a solidariedade com os venezuelanos que vivem atualmente na capital amazonense. O organismo internacional apoiou a realização de um amistoso entre o Lendas do Flamengo, time de veteranos da equipe carioca, e o Amigos do Iranduba, uma tradicional equipe manauara. Partida animou o público do estádio Arena da Amazônia.

UNAIDS                                                            participa de                                                            encontro sobre                                                            Objetivos de                                                            Desenvolvimento                                                            Sustentável em                                                            Recife. Foto:                                                            UNAIDS

UNAIDS discute implementação de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em Recife

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) participou no fim de abril (30) em Recife (PE) do 1º Diálogo Público sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O evento foi organizado pela ONG Gestos – Soropositividade, Comunicação e Gênero, como co-facilitadora do Grupo Temático (GT) da Sociedade Civil para Agenda 2030, em parceria com a Associação Brasileira de ONGs (ABONG).

O objetivo do encontro foi fortalecer o diálogo entre organizações da sociedade civil, gestão pública, academia, imprensa e outros grupos sobre a importância dos objetivos que compõem a Agenda 2030.

Parteiras                                                            profissionais                                                            ajudam a                                                            garantir                                                            gestações e                                                            partos                                                            seguros. Foto:                                                            UNFPA                                                            Brasil/Fernando                                                            Ribeiro

Fundo de População da ONU pede valorização das enfermeiras obstétricas no Brasil

No mês em que o mundo celebra o Dia Internacional da Parteira, lembrado em 5 de maio, o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil pede a valorização e o reconhecimento das enfermeiras obstétricas — as parteiras profissionais do país. Agência da ONU ressalta o papel dessas trabalhadoras na promoção da dignidade e da segurança de gestantes e recém-nascidos.

Arte:                                                            Rede Brasil do                                                            Pacto Global

Como empresas podem apoiar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável? Veja aqui as dicas

Como difundir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – um conjunto de 17 objetivos e 169 metas aprovadas em 2015 por todos os países – dentro de sua organização? A Rede Brasil do Pacto Global das Nações Unidas – a maior e principal iniciativa empresarial da ONU – dá dicas de atuação.

Imagem:                                                            ONG Repórter                                                            Brasil

Pureza: uma maranhense na linha de frente contra o trabalho escravo no Brasil

No mês em que o Brasil comemora a abolição da escravatura, em 13 de maio, a Organização Internacional do Trabalho (OIT), em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a ONG Repórter Brasil, lembra o ativismo da maranhense Pureza Lopes Loiola, que passou três anos à procura do filho Abel, desaparecido em 1993 após ser aliciado por agentes do trabalho escravo.

Pureza percorreu o interior do Maranhão e do Pará, numa peregrinação por garimpos, carvoarias, madeireiras e plantações. À época, o Estado brasileiro ainda não reconhecia a existência de formas análogas à escravidão. Assista ao vídeo aqui.

Líder de                                                            projeto sobre                                                            saúde                                                            reprodutiva e                                                            adolescentes                                                            de Gana                                                            discursando na                                                            ONU. Foto:                                                            UNDESA/S.                                                            Nijam

ONU procura ONGs para ajudar a realizar sua missão; prazo é 1º de junho

A divisão de organizações não governamentais (ONGs) do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (DESA) está convidando todas as organizações interessadas a trabalhar em estreita colaboração com o Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC) para solicitar um status consultivo. Dia 1º de junho de 2019 é o prazo para recebimento de pedidos, que serão revisados durante o ano seguinte.

Para apoiar no processo, a ONU realizará um seminário online no próximo 3 de maio (sexta-feira), das 11h às 12h30 (horário de NY) – no horário de Brasília, de 12h às 13h30. Segundo a organização, essa é uma boa oportunidade para candidatos(as) fazerem perguntas sobre o processo de inscrição. O espaço é limitado. Saiba como se inscrever aqui.

Bombeiros                                                            brasileiros em                                                            operação de                                                            busca e                                                            salvamento em                                                            Pemba. Foto:                                                            Bombeiros do                                                            Brasil

Bombeiros brasileiros salvam vítimas de novo ciclone em Moçambique

Em meio à passagem do ciclone Kenneth por Moçambique, uma ação coordenada entre agências da ONU, o governo moçambicano e bombeiros brasileiros salvou a vida de centenas de pessoas no último domingo (28) em Pemba, capital da província de Cabo Delgado, no norte do país. A tempestade tropical, que chegou na quinta-feira passada (25) ao território moçambicano, destruiu até 90% das residências em algumas aldeias.

Adesão ao                                                            movimento                                                            ElesPorElas                                                            foi                                                            formalizada                                                            durante o 25º                                                            Congresso                                                            Nacional                                                            Escoteiro,                                                            realizado em                                                            Brasília.                                                            Foto:                                                            Escoteiros do                                                            Brasil

Escoteiros do Brasil aderem a movimento da ONU pela igualdade entre homens e mulheres

Os Escoteiros do Brasil aderiram neste mês (26) ao movimento ElesPorElas (HeForShe, em inglês), uma iniciativa global da ONU Mulheres em prol da igualdade de gênero. Atualmente, a associação nacional de escotismo reúne 75 mil jovens e tem o apoio voluntário de 25 mil adultos. Nos últimos dez anos, o número de integrantes cresceu em torno de 35%, chegando a 671 cidades de todas as 27 unidades federativas do Brasil.

Foto:                                                            Agência                                                            Brasil

OIM inicia projeto para melhorar reintegração de migrantes brasileiros que voltam do exterior

De 2016 a 2018, os migrantes brasileiros representaram 94% do total de expatriados em Portugal que decidiram voltar para os seus países de origem.

No mesmo período, mais de 2 mil brasileiros retornaram a sua nação apoiados pela Organização Internacional para as Migrações (OIM).

A agência da ONU iniciou em 2019 um novo projeto que contribuirá para um processo de reintegração mais informado e sustentável desses brasileiros. Programa será implementado em Goiás, Minas Gerais e São Paulo, os principais estados de retorno no Brasil.

Crianças                                                            protegidas por                                                            tela                                                            antimalária na                                                            República                                                            Dominicana.                                                            Foto: OMS /                                                            OPAS

ONU lança iniciativa para fortalecer esforços municipais contra a malária nas Américas

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) lançou neste mês uma iniciativa para fortalecer os esforços municipais contra a malária nas Américas. Projeto ressalta papel de políticas públicas locais para enfrentar a doença. Em 2017, 50% de todos os casos notificados da infecção na região ocorreram em apenas 25 municípios.

O                                                            trabalho                                                            infantil na                                                            América Latina                                                            e no Caribe                                                            caiu pela                                                            metade desde                                                            2000, mas                                                            ainda há                                                            desafios.                                                            Foto: EBC

OIT: iniciativa latino-americana contra trabalho infantil é exemplo de cooperação Sul-Sul

Em evento paralelo à Conferência da ONU sobre Cooperação Sul-Sul, realizada em Buenos Aires, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) lembrou avanços da América Latina e Caribe na erradicação do trabalho infantil. Nos últimos 20 anos, segundo a agência da ONU, países da região tiraram 9,5 milhões de crianças e adolescentes de situações de exploração laboral.

UNICEF                                                            quer                                                            conscientizar                                                            pais, mães e                                                            usuários de                                                            redes sociais                                                            sobre eficácia                                                            e proteção de                                                            vacinas. Foto:                                                            Agência                                                            Brasil/Marcelo                                                            Camargo

Apresentadora brasileira Maísa apoia UNICEF em campanha sobre a eficácia das vacinas

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) lançou na quarta-feira (24) uma campanha global para conscientizar pais, mães e usuários das redes sociais sobre a segurança e a proteção das vacinas. A iniciativa #VacinasFuncionam tem o apoio, no Brasil, da atriz e apresentadora de TV Maísa Silva, que vai usar as suas páginas para compartilhar materiais da campanha.

Participante do Fórum Permanente sobre Assuntos Indígenas, na sede                                                            da ONU, em                                                            Nova Iorque.                                                            Foto: ONU/Loey                                                            Felipe

ONU alerta para dívida histórica do mundo com os povos indígenas

A presidente da Assembleia Geral da ONU, Maria Fernanda Espinosa, afirmou nesta semana que o mundo tem "uma dívida histórica para com os povos indígenas". Em pronunciamento na abertura do Fórum Permanente sobre Assuntos Indígenas, na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, a dirigente ressaltou na segunda-feira (22) que 15% das pessoas mais pobres do mundo são indígenas.

Durante o                                                            evento, jovens  comercializaram produtos. Na foto, grupos de jovens e mulheres                                                            beneficiados                                                            pelo Projeto                                                            Paulo Freire,                                                            que estimula a                                                            geração de                                                            renda e                                                            trabalho no                                                            semiárido do                                                            Ceará. Foto:                                                            SDA/CE

Encontro apoiado por Fundo Agrícola da ONU reúne jovens de seis estados do NE

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) apoiou a realização no início deste mês (de 5 a 7 de abril) do 2º Encontro de Jovens Rurais do Semiárido, que reuniu cerca de 500 jovens de seis estados do Nordeste (Sergipe, Piauí, Ceará, Bahia, Pernambuco e Paraíba) em Picos (PI).

Na ocasião, o diretor do FIDA no Brasil, Claus Reiner, enfatizou a importância de eventos voltados para a juventude rural. "É uma oportunidade de trazer novas ideias com entusiasmo para promover a transformação rural necessária para termos mais inserções nas cadeias de valor, mais diversificação das empresas rurais e, para isso, uma nova ruralidade", declarou.

Usina de                                                            dessalinização                                                            em Al Khaluf,                                                            Omã. Foto:                                                            Wikimedia                                                            Commons

ONU alerta contra impactos ambientais da dessalinização para fornecimento de água doce

Você sabia que vários países, como as Maldivas, Malta e as Bahamas, satisfazem todas as suas necessidades de consumo de água por meio da dessalinização, isto é, com a transformação da água do mar em água doce?

Mas essa fonte pouco convencional de água tem seus riscos para o meio ambiente. Subprodutos da dessalinização são tóxicos para a natureza e suas formas de vida. O relato é da ONU Meio Ambiente.


Agenda 2030 para o Desenvolvimento SustentávelInstagramTwitterYouTubeFacebook

Vidas Negras; Década Internacional de                    Afrodescendentes