Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Deputados comprados vieram com defeito.


Deputados discutem parecer sobre denúncia contra Michel Temer. Foto:Gilmar Felix/Câmara dos Deputados


"Deputados comprados vieram com defeito", brincava a edição 39 do tablóide humorístico Planeta Diário em 1988. Empossado em lugar do falecido Tancredo Neves, de quem era vice, o então presidente José Sarney era acusado de liberar verbas públicas a deputados que votariam pela extensão de seu mandato presidencial de quatro para cinco anos. A CPI da Corrupção chegou a recomendar o impeachment de Sarney, arquivado pouco depois pelo presidente da Câmara. Os cinco anos de mandato foram aprovados e Sarney, o primeiro presidente da redemocratização – que por ironia era da base de apoio da ditadura –, ficou até 1990, quando Collor assumiu o poder.

Como se vê, nem o presidente Michel Temer nem a Câmara do Deputados inovaram ou evoluíram nesses 42 anos de redemocratização. De acordo com o Valor Econômico, somadas os mais de 3 bilhões de reais de emendas à renúncia fiscal de 7,6 bilhões em favor dos produtores rurais – donos de uma bancada de 207 deputados – e do aumento dos royalties da mineração (em favor das bancadas de Minas e do Pará) – "o pacote de bondades" do governo para livrar Temer chegou a 13,2 bilhões de reais. Ah, a crise!

Talvez seja por isso que os deputados viram tantas melhorias na economia – usada como desculpa por muitos para livrar de investigação o presidente acusado de corrupção. Não é o que dizem os números (veja o Truco) nem o que sentem os brasileiros, 92% contrários ao governo Temer segundo as pesquisas.

O que realmente parece ter mudado dos tempos da manchete do Planeta Diário para cá é o grau de controle das empresas sobre o Congresso. Um levantamento da Pública realizado em 2016 entre as bancadas da Câmara mostrou que além dos beneficiados ruralistas mais de 200 deputados compõem as bancadas empresarial e a das empreiteiras e construtoras (muitos são se ambas), o que se revelaria nas delações da Lava Jato. O próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia, foi acusado por cinco delatores diferentes de vender medidas provisórias.

Ah, e por falar em Planeta Diário, uma de suas campanhas mais bem sucedidas foi a que quase elegeu o Macaco Tião à Prefeitura do Rio. Seu adversário era César Maia, o pai do atual presidente da Câmara, e os cariocas já pressentiam o caos lucrativo que se abateria sobre a cidade.

Marina Amaral, codiretora da Agência Pública

Nenhum comentário:

Postar um comentário