Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

5 músicas para conhecer a obra de Walter Franco.

FOTO: DIVULGAÇÃO APESAR DA RECONHECIDA GENIALIDADE, O MÚSICO NÃO ALCANÇOU SUCESSO DE PÚBLICO


Músico paulistano morreu aos 74 anos.

Influenciado pela poesia concreta, gravou "Revolver", considerado um clássico da música brasileira

   Considerado uma das mentes mais ousadas da música brasileira, o cantor e compositor Walter Franco morreu aos 74 anos na madrugada de 24 de outubro. Vítima de um AVC (acidente vascular cerebral) irreversível há duas semanas, ele passava por tratamento paliativo. "Ele se foi tranquilamente", relatou o filho Diogo ao UOL. Franco foi responsável por pelo menos dois álbuns considerados clássicos da história musical do país.

Seu primeiro, "Eu Não", de 1973, apostou em uma linguagem musical fortemente influenciada pela poesia concreta. Em 1975, lançou sua obra maior, "Revolver", um álbum que conseguiu equilibrar suas ideias mais arrojadas e uma sonoridade pop e rock, bastante influenciada pelos Beatles. Um aspecto essencial de sua obra foi o uso criativo de sílabas e palavras para construir letras caracterizadas por repetições ou ligeiras variações verbais. O efeito era hipnótico e fiel a uma lógica em que sonoridade era tão importante quanto significado. "Eternamente É ter na mente Éter na mente E, ternamente Eternamente" Walter Franco Letra de "Eternamente", do álbum "Revolver" "Sempre fui muito estimulado pela poesia, pela literatura", declarou o músico no programa Som do Vinil, em 2013.

O pai, o poeta Cid Franco, foi influência decisiva para sua formação como artista, segundo afirmava. Também dizia ter entre suas maiores referências os irmãos Augusto e Haroldo de Campos, expoentes da poesia concreta paulistana nas décadas de 1950 e 60. "Ele traduziu esse sentimento das coisas quadradas de São Paulo, essa aspereza que a cidade tem que a poesia concreta ajuda a explicar um pouco", lembrou Pena Schmidt, produtor musical que trabalhou com Franco em "Revolver", em 2013. "O Walter é muito paulistano nessa coisa de ser um poeta concreto dentro do rock'n'roll".

Obras suas foram regravadas por artistas como Chico Buarque, Ira!, Leila Pinheiro, Camisa de Vênus, Pato Fu e Titãs.

Apesar da reconhecida genialidade, o músico não alcançou sucesso de público. Colocado na gaveta dos compositores "malditos", uma denominação conferida a artistas mais experimentais e que incluía nomes como Jards Macalé e Tom Zé, Franco lançaria mais quatro álbuns: "Respire Fundo" (1978), "Vela Aberta" (1979), Walter Franco (1982) e Tutano (2001). Obras suas foram regravadas por artistas como Chico Buarque, Ira!, Leila Pinheiro, Camisa de Vênus, Pato Fu e Titãs.

A música "Feito Gente", de "Revolver", fez parte da trilha sonora da série "Os Dias Eram Assim", da Rede Globo, que tem como pano de fundo a ditadura militar. Em 2018, começou a trabalhar em um álbum inédito.

Com produção do filho Diogo, "LISTEN - Resiliência e Resistência" contaria com diversas faixas autorais inéditas do músico. Ditadura e censura Presença frequente nos festivais universitários que aconteciam entre as décadas de 1960 e 1970, Walter acabou na mira da ditadura militar. Levado para o Dops (Departamento de Ordem Política e Social), não chegou a ser torturado, mas, segundo contou, sofreu violência psicológica. "Não sabia bem por quê, talvez por causa da minha língua comprida", afirmou. Segundo Franco, seu pai teria sofrido um "espasmo cerebral" ao saber da prisão do filho. Vereador de tendência socialista, seu pai havia sido cassado depois do golpe de 1964. Conforme relatou em entrevista, sua família chegou a sofrer ameaças.

No Festival Internacional da Canção, em 1972, sua música "Cabeça" foi uma das duas ganhadoras do prêmio do júri presidido por Nara Leão. No entanto, o júri acabou desfeito depois que a cantora criticou a situação política do país. A nova banca, composta apenas de jurados estrangeiros, trocou os vencedores, colocando no lugar "Fio Maravilha", de Jorge Ben, na interpretação de Maria Alcina, e "Diálogo", de Baden Powell e Paulo César Pinheiro, cantada por Cláudia Regina e Baden.


Uma seleção de músicas de Walter Franco:

https://youtu.be/ETimzY-nUp0

https://youtu.be/Pb24hfitiOQ

https://youtu.be/sZ8yqsFwBTs

https://youtu.be/ClqaR1RKdNI

https://youtu.be/0dA1G5YMt3Q


Saiu no nexojornal

Por: Camilo Rocha

Nenhum comentário:

Postar um comentário