Webradio "ao vivo"

Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.



Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).






Covid-19: menos de 60% da população de RR, AP, PA e MA tomaram as duas doses da vacina

imagem: arquivo / reprodução

***Os dados são do Ministério da Saúde e foram apresentados na 12ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Tripartite.



Apesar do esquema vacinal contra a Covid-19 estar caminhando em um bom ritmo no Brasil, quatro estados ainda apresentam baixa adesão ao imunizante: Roraima, Amapá, Pará e Maranhão. Nesses locais, menos de 60% da população vacinável, com 12 anos ou mais, tomaram a segunda dose, de acordo com o Ministério da Saúde.

A informação foi divulgada na 12ª Reunião Ordinária da Comissão Intergestores Tripartite.



Os dados de 8 de dezembro também apontam que, nessas unidades da federação,  as taxas de aplicação da primeira dose variam entre 61% e 80%. Os números do Ministério da Saúde são bastante próximos aos dados apresentados pelos vacinômetros das Secretarias Estaduais de Saúde.

Em Roraima, o vacinômetro registra 390.256 aplicações da primeira dose e 249.720 da segunda, até 9 de dezembro. Ou seja, pouco mais da metade da população de 652 mil habitantes do estado (estimativa populacional do IBGE em 2021) já se imunizou com a D1. No entanto, nove dos 15 municípios do estado estão com menos de 50% da população imunizada com duas doses.

No Amapá, também com dados de 9 de dezembro do vacinômetro da Secretaria de Saúde, 60,92% da população tomou a D1 e 39,86% tomou a D2.

Já no Pará, o índice da Secretaria Estadual de Saúde está atualizado e difere um pouco dos dados do Ministério da Saúde. Em 21 de dezembro, o vacinômetro registra 76,82% da população imunizada com a D1 (5.737.112 aplicações) e 65,8% com a D2 ou dose única (4.914.131 aplicações).

No Maranhão, a atualização de dados da Secretaria Estadual de Saúde também diverge dos índices de cobertura vacinal do Ministério da Saúde. De acordo com o vacinômetro, 79,74 % dos maranhenses tomaram a D1 (984.668 doses) e 71,46 % tomaram a D2 (850.754).

Vale lembrar que no último dia 10 de dezembro, o site do Ministério da Saúde e a página e o aplicativo do ConecteSUS - que fornece o Certificado Nacional de Vacinação Covid-19 - sofreram um ataque de hackers.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Maranhão informou que, "em vista a baixa cobertura vacinal, o Governo do Maranhão colocou à disposição dos municípios com menor taxa de vacinação profissionais de saúde do estado para auxiliar na estratégia de vacinação contra a Covid-19. Cerca de 500 profissionais foram contratados – dentre técnicos de enfermagem e digitadores – para auxiliar os municípios com até 50 mil habitantes, para garantir a celeridade na imunização dos grupos prioritários".

A Secretaria de Saúde de Roraima também comunicou por nota que a baixa procura pelas vacinas se deve à "resistência e desinformação. No entanto, para reverter essa situação e dar mais efetividade a Campanha de Vacinação no estado, o governo tem ajudado os municípios com ações realizadas de forma parceira para sensibilizar a população".

"A medida mais recente, executada neste mês, é a parceria firmada pelo governo de Roraima com o Ministério da Saúde, a OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde) e 11 prefeituras em uma ação de intensificação da imunização. Em 11 dias foram aplicadas 10.442 vacinas, incluindo 3.479 primeira dose, 5.014 segunda dose e 1.949 doses de reforço."

A equipe de reportagem do Brasil61.com entrou em contato com as Secretarias de Estado de Saúde de Amapá e Pará, mas não obteve respostas até o fechamento da matéria.

Cobertura vacinal

O infectologista do Hospital das Forças Armadas de Brasília, doutor Hemerson Luz, afirma que a baixa cobertura vacinal em um estado pode predispor o país ao surgimento de novas variantes do coronavírus.

"Isso porque o vírus continua circulando e se replicando. E as pessoas não vacinadas, ou vacinadas parcialmente, acabam sustentando essa disseminação. Quanto mais o vírus se espalha, maior a possibilidade de aparecerem novas variantes. Quanto maior a taxa de transmissão do coronavírus, ou da variante que está dominando o cenário epidemiológico, maior é a necessidade de cobertura vacinal."

A secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde, Rosana Melo, orienta que a cobertura vacinal ideal para conter a propagação do coronavírus esteja acima de 90%.

"Há dois meses aproximadamente, nós acreditávamos que uma cobertura vacinal acima de 75% deixaria uma nação tranquila. Hoje, nós já sabemos que a Covid-19 não é bem assim. As coberturas vacinais têm que estar acima de 90%, quiçá 95%. Eu tenho certeza que, com a orientação, com essas campanhas que estamos fazendo, nós conseguiremos sim essa cobertura acima de 90%."

Dados Covid-19

De acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça-feira (21), o Brasil registrou 3.621 novos casos e 75 óbitos por Covid-19. Desde o início da pandemia, mais de 22,2 milhões de brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus. Além disso, já são 27 casos registrados da variante Ômicron em território nacional.

O estado com a maior taxa de letalidade entre as 27 unidades da federação continua sendo o Rio de Janeiro, com 5,14%. O índice médio de letalidade do país está em 2,78%.

Taxa de letalidade nos estados
  • RJ - 5,14%
  • SP - 3,48%
  • AM - 3,19%
  • PE - 3,17%
  • MA - 2,80%
  • PA - 2,74%
  • AL - 2,64%
  • GO - 2,61%
  • CE - 2,60%
  • PR - 2,56%
  • MS - 2,56%
  • MG - 2,55%
  • MT - 2,50%
  • RS - 2,43%
  • RO - 2,37%
  • SE - 2,17%
  • PI - 2,17%
  • BA - 2,17%
  • DF - 2,14%
  • ES - 2,12%
  • AC - 2,09%
  • PB - 2,07%
  • RN - 1,96%
  • TO - 1,68%
  • SC - 1,63%
  • RR - 1,61%
  • AP - 1,59%
Os números têm como base o repasse de dados das Secretarias Estaduais de Saúde ao órgão.

Fonte:  Br 61

Visitem nossas redes sociais
                             

Notícia com apoio cultural das seguintes empresas:

         http://qsaudavel.com 


Nenhum comentário:

Postar um comentário