Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Criador do Android revela novo sistema operacional; saiba o que esperar


Foto: reprodução

O Essential Phone é uma das grandes apostas de Andy Rubin, apontado como o criador do Android, mas o pai de um dos principais sistemas operacionais da última década ainda não desistiu de falar em software. Sua empresa também apresentou o sistema Ambient OS, que poderia vir a se transformar em uma pedra no sapato do Google.

O Ambient, no entanto, não tem como foco estar no seu futuro celular, mas sim um novo e já concorrido mercado da casa conectada, uma das principais apostas do setor de tecnologia. A ideia é garantir a interoperabilidade entre dispositivos, mesmo que tenham sido feitos por fabricantes diferentes.

Neste sentido, o Ambient é muito similar ao Android Things, um sistema do Google baseado no Android com a mesma proposta de permitir que objetos consigam se comunicar e funcionar em conjunto. E é por isso que criador e criação podem começar a entrar em conflito.

Rubin deu mais detalhes sobre o que é o Ambient. A sua meta é "ativar" a casa, entendendo o layout físico da residência, seus ocupantes e os serviços e dispositivos disponíveis para eles. Neste sentido, o sistema operacional serve como uma API, para que as coisas funcionem de forma combinada. Pense em um piscar das luzes da sala quando disparar um timer que monitora o tempo que um bolo passa no forno na cozinha.

Os desenvolvedores apontam que uma diferença que o Ambient OS tem para outros serviços que prometem recursos similares (como o IFTTT, por exemplo), é que todo o processamento pode acontecer localmente, o que dispensa a necessidade de enviar informações possivelmente delicadas pela internet para uma nuvem. O ganho de privacidade e segurança, neste caso, é imenso, já que dificulta muito a ação do cibercrime e também mantém os dados longe dos olhos de empresas como o próprio Google, que usam as informações de clientes para alavancar suas receitas com vendas de anúncios. A Essential diz que o seu sistema irá controlar os dispositivos e guardar dados localmente sempre que for possível.

Como pai do Android, Rubin foi um dos responsáveis por implantar a filosofia do código aberto, que foi um dos segredos do sucesso do sistema. E agora, ele pretende repetir a receita com sua nova empreitada, dando aos desenvolvedores de hardware a liberdade de modificação do código-fonte do Ambient OS. Isso quer dizer que cada fabricante pode ter uma visão própria do que o sistema deve ser capaz de fazer, ao mesmo tempo em que ainda há semelhanças o bastante para que tudo funcione em conjunto.

A questão é como a Essential pretende garantir que isso não crie o mesmo calcanhar de Aquiles do Android, que é a fragmentação do sistema que dificulta a distribuição de atualizações de recursos e de segurança. Em entrevista na Code Conference, Rubin disse que sua empresa tem uma solução, mas não revelou qual é.


OLHAR DIGITAL