Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Redes e Dinâmicas Sociais

 
110º Fórum Comitê da Cultura de Paz - 11 de março

http://palasathena.org.br/evento_detalhe.php?evento_id=87

Redes e dinâmicas sociais – para onde vão? O que buscam?

Assistimos diariamente movimentações inéditas acontecendo em nossa sociedade global. São mudanças vertiginosas que reconfiguram a cada nova experiência a maneira como nos percebemos enquanto agentes de ação no mundo. Em gestação, talvez os ruídos gerados pelo descompasso entre sociedade e instituições sejam as contrações de novos modelos de sociedade prestes a nascerem.

Essas novas dinâmicas sociais criam grandes desafios para pais, educadores, gestores públicos e empresários, pois estes precisam responder a um mundo desconhecido e em constante transformação. Contudo, ainda que inovadores, esses movimentos já apresentam características comuns, que apontam para valores e princípios marcantes para este início de século.

Os novos movimentos sociais não são marcados por sua natureza política, ou seja, não são movimentos com uma ideologia clara, nem com uma ética comum. São movimentos que acontecem em função de uma demanda específica, que conecta indivíduos e chama para a mobilização. Não seguem a lógica ocidental de disputa pelo poder, não concorrem a esse espaço, nem se propõe a gerar uma revolução e consequente construção de uma sociedade alternativa. Neles, o anonimato é um forte valor, bem como a não identificação com bandeiras. O anonimato não é apenas a ausência de um líder, mas também a falta de uma identidade única o que dificulta rotulações. São movimentos livres, heterogêneos e mutáveis.

Um dos principais catalizadores deste processo são os novos meios de comunicação que conectam as pessoas e fortalecem as interações. Por isso, para nos ajudar a compreender o que é essa nova forma de ativismo, convidamos o professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, o Dr. Massimo Di Felice, para abrir o ano de atividades no Museu de Arte de São Paulo – MASP, no 110º Fórum do Comitê da Cultura de Paz.


ENTRADA FRANCA

11 de marços de 2014 • terça-feira • 19 horas

Auditório do MASP • Museu de Arte de São Paulo
Avenida Paulista, 1578 – São Paulo / SP — Estação Trianon-MASP do metrô
Não é necessário fazer inscrição antecipada


Massimo Di Felice, sociólogo pela Universidade "La Sapienza" de Roma e doutor em Ciências da Comunicação. É professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP) e do PPGCOM da mesma universidade. Coordena o Centro de Pesquisa Internacional ATOPOS (ECA/USP) que desenvolve estudos transdisciplinares sobre as transformações promovidas pelo advento das tecnologias comunicativas digitais. Possui pós-doutorado pela Universidade Paris V Sorbonne, sendo professor visitante da Libera Università di Lingue e Comunicazione (IULM) de Milão. Autor de ensaios e artigos editados na França, na Itália, em Portugal e na Argentina em diversas revistas acadêmicas. No Brasil, coordena a coleção Atopos (Editora Annablume), onde publicou diversas obras, dentre elas: "Paisagens Pós-Urbanas - o fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar" (2009), finalista do Prêmio Jabuti.

Mais informações:
www.comitepaz.org.br


   DIVULGAÇÃO

 

 

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário