Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Conte Sua História de SP: poetisando na janela do ônibus



Por Janina Zmitrowicz (Janina Zmi)
Ouvinte-internaura da CBN

 

 

Nasci em São Paulo e amo minha cidade. Desde sempre conheci de perto seus lugares históricos e marcantes conduzida pelos antigos ônibus CMTC, em companhia de meus pais e irmãos. Tornei-me médica, e há 14 anos dedico-me à população das periferias de São Paulo. Realizei muitas viagens de ônibus em diferentes regiões da cidade, como Jaçanã, Cidade Tiradentes, São Mateus, Campo Limpo, Capão Redondo, Grajaú, Centro. Como apreciadora do cotidiano, sempre contemplei cada minuto dentro de um coletivo, observando lugares, pessoas, situações. Tantas viagens resultaram em uma enxurrada de informações, que foram sintetizadas em uma poesia feita durante essas jornadas paulistanas, "CORREDOR URBANO"

 

Entra, fica em pé e senta
Sai, levanta e ajeita
Vai pedir licença
Faz a gentileza
Que não tá moleza levar isso não

 

Anda, corre, anda, para
No ponto mais gente entra
Gente sai indo na correnteza
Tanta pressa
Tanta coisa faz passar

 

Entra o artista
Toca a sanfona e a viola
Faz a sua festa
Necessito da sua ajuda
Para o meu CD gravar

 

Desce o artista
Entra o poeta declarando
Seu amor em poesias
Colaborem
Para o meu livro publicar

 

Desce o poeta
Entra o rapaz com chocolate, doce
Bala e chiclete
Amendoim salgado
Para a fome do trabalhador passar

 

Desce amendoim e doce
E sobe o coitado
Que sofre da vista
Do rim, do joelho, é pai de família
Mas como sustentar?

 

A cidade passa rápido
E lentamente
Apertado e às vezes
Mais dignamente
Senta, que não tá moleza carregar

 

Anda, corre, anda, para
Vê se dá licença
Por favor, me dá licença
Motorista, não esquece
Que meu ponto vai passar…

 

Ouça esta poesia cantada e musicada pela própria autora:

 


DIVULGAÇÃO