Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

"Carolina Maria de Jesus" ...Você conhece?... Deveria! - Cultura Leste




Ainda está em tempo de comemorarmos o Centenário de Carolina Maria de Jesus, oriunda de uma família extremamente pobre que, contrariando todos os indicadores negativos (favelada, semi analfabeta, negra, catadora de lixo, mãe solteira...), tornou-se Escritora/Compositora.
BlogCulturaleste
Carolina Maria de Jesus
Na década de 1930, já em São Paulo foi morar na favela do Canindé. Seu sustendo próprio e de seus três filhos foi exercendo a atividade de catadora de papel. No meio do lixo, Carolina, encontrou uma caderneta, onde passou a registrar seu cotidiano de favelada, em forma de diário.

Foi o jornalista e repórter da Folha da Noite Audálio Dantas o descobridor da veia artística de Carolina Maria de Jesus.
Da esquerda para a direita: Carolina Maria de JesusAudálio Dantas (jornalista) e Ruth Souza.
Carolina teve suas anotações publicadas, em 1960, no livro "Quarto de Despejo", que vendeu mais de cem mil exemplares. A obra foi prefaciada pelo escritor italiano Alberto Moravia e traduzida para 29 idiomas. Também foi adaptado para o teatro e cinema.
Em 1961 lançou, pela RCA Victor, o disco – "Quarto de Despejo: Carolina Maria de Jesus cantando suas composições".
No ano da sua morte (1977), durante entrevista concedida a jornalistas franceses, Carolina entregaria seus apontamentos biográficos, onde narrava sua infância e adolescência. Em 1982 o material foi publicado postumamente na França e na Espanha, sendo lançado no Brasil em 1986, com o título "Diário de Bitita", pela editora Nova Fronteira.
Desejo que a história de vida de Carolina Maria de Jesus não caia no esquecimento e engendre o aparecimento de várias outras "Carolinas" que, certamente, estão esperando uma oportunidade de mostrar suas artes ao país e ao mundo.

Fonte: http://luisnassif.com/



  DIVULGAÇÃO    http;//digitalradiotv.blogspot.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário