Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Após críticas de deputados, corte no orçamento da educação é revisto


Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados


Comissão de Orçamento concluiu hoje a análise dos pareceres setoriais da proposta orçamentária de 2016. Colegiado poderá votar na segunda-feira o relatório final, desde que o Congresso examine antes o PPA 2016-2019

O relator-geral da proposta orçamentária de 2016 (PLN 7/15), deputado Ricardo Barros (PP-PR), fechou um acordo nesta quarta-feira (9) com integrantes da Comissão Mista de Orçamento (CMO) para repor R$ 300 milhões na previsão de despesas do Ministério da Educação. Barros vai dividir os recursos entre quatro áreas, cada uma recebendo R$ 75 milhões: educação básica, ensino profissionalizante, transporte escolar e ensino superior.

O objetivo do acordo – que foi capitaneado pela presidente do colegiado, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), após críticas de parlamentares à diminuição do orçamento da educação – é reduzir o tamanho dos cortes promovidos pelo Executivo na pasta.

Reunião Extraordinária. Dep. professora Dorinha Seabre Rezende (DEM-TO)
Dorinha Rezende: "Não podemos entrar 2016 com um orçamento muito pior do que 2015, que já foi um ano ruim"
No início de novembro, o Ministério do Planejamento enviou um ofício à Comissão de Orçamento propondo o corte de R$ 26 bilhões nas despesas primárias de 2016. A medida visa tirar do vermelho a proposta relatada por Barros. O governo enviou o projeto com R$ 30,5 bilhões de deficit primário. Do total de cortes propostos, pouco mais de R$ 1 bilhão incidiu sobre o Ministério da Educação.

Críticas
Barros aceitou parte da proposta do governo, reduzindo as despesas do próximo ano em R$ 21 bilhões, o que não livrou a pasta da Educação. A decisão foi questionada pela deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), que puxou o debate. "Não podemos entrar 2016 com um orçamento muito pior do que 2015, que já foi um ano muito ruim", afirmou a parlamentar, durante a votação do relatório setorial dos orçamentos dos ministérios da Educação e da Cultura, que foi aprovado hoje na CMO.

Dorinha Rezende citou ações ministeriais que vão sofrer cortes em 2016. O programa Caminho da Escola, por exemplo, que financia a compra de ônibus escolares pelos municípios, não foi contemplado com nenhum recurso na proposta orçamentária do governo. O relator setorial da educação, deputado Wellington Roberto (PR-PB), colocou quase R$ 198,3 milhões na ação, mas o valor é 1/3 do autorizado para este ano (R$ 579,4 milhões).

"Temos ainda muitos alunos fora da escola, professores mal remunerados, uma estrutura ruim. Não podemos aceitar esse corte", insistiu Dorinha, que questionou a capacidade de o governo cumprir as metas do Plano Nacional de Educação (PNE - Lei 13.005/14) em 2016.

O deputado Caio Narcio (PSDB-MG) fez duras críticas à redução das despesas com o ensino: "Os números que estão aqui são de falência da educação". Ele mencionou especialmente os recursos reservados para o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), que estão 59% menores em relação ao autorizado para 2015. "O Executivo optou por abandonar a educação", disse Narcio, que cobrou a presença de representantes do governo durante a votação na Comissão de Orçamento.

As críticas dos deputados levaram Rose de Freitas a propor uma reunião de emergência com Ricardo Barros, a fim de rever os cortes na área. Ficou acertado que o relator-geral retornaria R$ 300 milhões para o ministério. "Pode parar tudo, menos a saúde e a educação das pessoas. Se parar, aí é o subdesenvolvimento", comentou Rose. Para efetivar a medida, Barros terá de fazer cortes no mesmo tamanho em outras áreas do orçamento federal.

Relatórios setoriais
Nesta quarta, a Comissão de Orçamento aprovou os dois últimos relatórios setoriais da proposta orçamentária. Além de Educação e Cultura, foi aprovado o parecer do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) ao orçamento do Ministério do Turismo.

Com isso, Rose de Freitas marcou para a próxima segunda-feira (14), a partir das 15h, a discussão e votação do relatório final da proposta orçamentária de 2016. Mas para que o texto de Ricardo Barros possa ser analisado, o Congresso Nacional precisa primeiro votar o projeto do Plano Plurianual (PPA) 2016-2019, cujo parecer foi aprovado ontem na CMO. Segundo as normas do colegiado, a análise do relatório final do orçamento somente terá início após a aprovação do PPA em sessão conjunta da Câmara e do Senado.


Reportagem – Janary Júnior
Edição – Marcelo Oliveira

'Agência Câmara Notícias'


--
Você também pode interagir conos

Você também pode interagir conosco, ouvindo:

Notícias       Histórias       Música do Dia


***Digital Radio & Tv