Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Investimentos em tecnologia podem aumentar no Norte, Nordeste e Centro-Oeste

Câmara analisa proposta que aumenta para 50% o repasse mínimo do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico para essas regiões.
 
 
A Câmara está analisando proposta (PL 1863/15) que aumenta para 50% o repasse mínimo do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico para os estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste.
 
Apesar de concentrarem 74% dos estados brasileiros, as regiões norte, nordeste e centro-oeste têm assegurados apenas 30 % dos recursos.
 
O Fundo, criado em 1967, conta com verbas da União, da Cide, dos royalties do petróleo, entre outros. Segundo dados do Ministério da Ciência e Tecnologia, em 2014, o Fundo arrecadou 3 bilhões e 262 milhões de reais.
Esses recursos são investidos em programas de inovação tecnológica e pesquisas em diversas áreas como saúde, biotecnologia, agronegócio, transporte e também no setor de informação.
 
A proposta já foi aprovada na Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e Amazônia. O relator da proposta na comissão, deputado Alan Rick, do PRB do Acre, explicou que esse aumento vai garantir desenvolvimento justamente nas regiões que mais precisam.
 
"Essa é uma maneira da gente reduzir as desigualdades regionais e atender uma demanda crescente dessas regiões por desenvolvimento da pesquisa científica e tecnológica. A gente acha que dessa maneira nós estamos ajudando os estados mais carentes a ter recursos para desenvolvimento da pesquisa e da ciência."
 
A proposta ainda vai ser analisada pelas comissões de Ciência e Tecnologia; Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça. Aprovada em todas as comissões a proposta não precisa ser analisada em Plenário.
 
Reportagem — Karla Alessandra / RC
 
 
***Digitalradiotv
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário