Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

ONU testa sistema para conter ataques contra trabalhadores de saúde


Foto: OMS - Plataforma da OMS quer evitar ataques a trabalhadores de saúde.


Meta da Organização Mundial da Saúde é reforçar proteção; só na Síria, 60% dos hospitais foram destruídos de forma total ou parcial; no ano passado, 603 trabalhadores de saúde foram mortos e 958 ficaram feridos em ataques.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, anunciou nesta terça-feira que está testando um novo sistema de coleta de dados para combater ataques a trabalhadores de saúde.

A meta da OMS é proteger profissionais em países como Afeganistão, Ucrânia e Iêmen. Segundo a agência da ONU, os ataques já são trágicos por si só, mas os danos a clínicas e hospitais e a perda dos trabalhadores resulta em menos tratamento para a população.

Testes
A OMS informa que no ano passado, 603 funcionários do setor de saúde foram mortos e 958 ficaram feridos em ataques ocorridos em 32 países. O novo sistema de coleta de dados está sendo testado na República Centro Africana, na Síria, na Cisjordânia e em Gaza.
O programa estará disponível a partir do próximo ano. Além de colher dados, a plataforma utiliza as informações para identificar padrões e encontrar maneiras de evitar ataques ou diminuir impactos.

Síria
Segundo dados do Escritório para Coordenação de Assuntos Humanitários, Ocha, quase 60% dos hospitais da Síria já foram destruídos de forma total ou parcial.

Mais da metade dos profissionais de saúde do país abandonaram a Síria ou foram mortos. E sem esses trabalhadores, fica difícil garantir o atendimento da população.

Já na África Ocidental, mais de 400 profissionais de saúde perderam a vida após serem infectados pelo vírus ebola enquanto tratavam de pacientes. Segundo a gerente do projeto da OMS, Erin Kenney, "o acesso aos cuidados de saúde é impedido cada vez que um hospital é bombardeado, medicamentos são saqueados ou um médico tem medo de ir ao trabalho".

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.
   ***Digital Radio & Tv

Nenhum comentário:

Postar um comentário