Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Quando coisas violentas são mascaradas pelo manto da ingenuidade.


A música como meio de perpetuar violência - Divulgação


Como homem ciumento eu sofro quatro vezes: por ser ciumento, por me culpar por ser assim, por temer que meu ciúme prejudique o outro, por me deixar levar por uma banalidade; eu sofro por ser excluído, por ser agressivo, por ser louco e por ser comum. (Roland Barthes)

A música é uma arte antiga usada, especialmente, para expressar sentimentos. De suma importância para a humanidade, Nietzsche dizia que "sem a música a vida seria um erro" ou que "não podemos acreditar em um deus que não saiba dançar". Não é por acaso que hoje existe a musicoterapia e, segundo especialistas nesta área, tal terapia emprega instrumentos musicais, canto e ruídos para tratar pessoas com distúrbios da fala e da audição ou deficiência mental. Atua, também, na área de reabilitação motora, no restabelecimento das funções de acidentados ou de convalescentes de acidentes vasculares cerebrais.

Como se vê, a música é importante para a humanidade e serve para muitas coisas... Inclusive para legitimar preconceitos e propagar violência. Trago, por exemplo, uma música antiga (do meu tempo de criança!) e que contém uma mensagem muito forte de violência contra a mulher. E pasmem: era cantada por crianças; inclusive esta música elevou a carreira delas. Qual música é? O nome é "Maria Chiquinha", cantada pela dupla Sandy & Júnior.

A música tem uma melodia gostosa, é engraçadinha, mas talvez poucas pessoas pararam para ver do que realmente ela trata.

É simples:

Maria Chiquinha era casada com Genaro, a quem ela carinhosamente chamava de "meu bem". Acontece que a Maria andava se perdendo pelos matos e Genaro desconfiou. Genaro perguntava:

- Que c'ocê foi fazer no mato, Maria Chiquinha? Quem é que tava lá com você?

Ela respondia:

- Eu precisava cortar lenha, Genaro, meu bem; e eu estava com Sinhá Dona.

Genaro, malandro que era, dizia:

- Eu nunca vi mulher de bigode, Maria Chiquinha!

E assim a briga estava formada e..., como quase sempre, acaba feio para a mulher. Maria Chiquinha caiu na mentira, pois esta tem perna curta, e escutou de Genaro – o homem a quem ela chamava de "meu bem":

- Eu vou te cortar a cabeça, Maria Chiquinha!

Assustada, ela pergunta:

- E o que você vai fazer com o resto?

- O resto? Pode deixar que eu aproveito! Disse Genaro.

Que enredo bizarro, heim? Um homicídio qualificado por meio cruel (CP. 121, § 2º, III) e que foi motivado por ciúme – palavra cujas origem remete ao vocábulo grego zelos, o qual significa fervor, calor, ardor ou intenso desejo.

É verdade: ciúme todo mundo tem.

Freud dizia que

"O ciúme é um daqueles estados emocionais, como o luto, que podem ser descritos como normais. Se alguém parece não possuí-lo, justifica-se a inferência de que ele experimentou severa repressão e, consequentemente, desempenha um papel ainda maior em sua vida mental inconsciente.

Não ter ciúme é a manifestação de alguma doença do ser, alguma repressão. É normal, pô. O problema é quando, aliado ao ciúme, temos a ideia, tão histórica e enraizada, de que a mulher é propriedade do homem. Neste caso, o ciúme se torna um fevor, calor, ardor ou intenso desejo de ser dono do outro e de não permitir que o outro siga a sua vida por outros caminhos. Aliás, dizia Rubem Alves: O ciúme é aquela dor que dá quando percebemos que a pessoa amada pode ser feliz sem a gente. E dizia mais o Rubem:

O apaixonado que desconfia quer manter sob controle até o pensamento do ser amado. Diante de tamanha impossibilidade, ele se tortura e quer o outro cerceado. É a antítese do amor.


Assim, esta música cantada pelos guris Sandy & Júnior revela fatores realmente interessantes da sociedade – da época e com fortes resquícios na nossa:

O ciúme está presente na humanidade;
Há estágios do ciúme onde o zelo torna o outro propriedade;
O ciúme mata; e
O mais importante: a gente cantava uma música com clara violência doméstica, contra a mulher, com a maior naturalidade e felicidade.
Eu sei que algumas pessoas vão dizer que analisar a música assim é puro vitimismo, que hoje "não se pode mais nem falar nada que a patrulha chega", e etc. Eu sei que vão falar isto; mas pare, olhe e pense: quem reclama que hoje não se pode mais falar nada é justamente quem tinha, antes, o privilégio de ofender impunemente qualquer pessoa. Não estou querendo com isto impedir que pessoas escrevam bobagens e ofendam. Defendo o direito do mais estúpido do mundo se manifestar – contanto, claro, que este aceite, sem choro, a crítica dos que são ofendidos e não mais se calam.


É preciso, sim, desmascarar toda a arte usada para agredir e perpetuar violência simbólicas ou físicas. E parafraseando o Nietzsche: "sem música a vida seria um erro, mas têm músicas que, por não respeitar a dignidade da vida alheia, são o próprio erro".




Dicas de Leitura:

Freud, S. (1922-1989). Alguns mecanismos neuróticos no ciúme, na paranóia e no homossexualismo.
ALVES, Rubem. O Ciúme (Crônica)
BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso.

Por Wagner Francesco
Você também pode interagir conos

Você também pode interagir conosco, ouvindo:

Notícias       Histórias       Música do Dia


***Digital Radio & Tv

Nenhum comentário:

Postar um comentário