Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Governo avalia se amplia ou não distribuição de remédio contra câncer



Integrantes da comunidade médica afirmam que o medicamento é indispensável no tratamento de um determinado tipo da doença.

O Ministério da Saúde terminou de realizar uma consulta pública para decidir se amplia ou não a distribuição de um medicamento contra o câncer pelo SUS. Integrantes da comunidade médica afirmam que o remédio é indispensável no tratamento de um determinado tipo da doença.

A empresária Cláudia Woltzenlogel Paleo, de Piracicaba, em São Paulo, afirma que pagou R$ 15 mil pela dose do remédio indicado para tratar o câncer do filho. “Nós custeamos todo o tratamento e estamos agora tendo resultado que é a recuperação do Bruno, que deu ótimas respostas ao tratamento e vem se recuperando muito bem”, ela destaca.

O remédio, chamado Rituximabe, foi prescrito pelo médico. Mas nem todos os pacientes com linfoma têm acesso a ele. Quem tem linfoma não-Hodgkin do tipo folicular não recebe o remédio pelo SUS. Esse linfoma é um tipo de câncer que ataca o sistema linfático, responsável por combater infecções e doenças. As células linfáticas se multiplicam sem controle, levando a tumores. O não-Hodgkin folicular representa 20% dos casos de linfoma no Brasil.

Em 2013, cerca de 1,9 pessoas devem desenvolver a doença. Especialistas dizem que o Rituximabe faz toda a diferença no tratamento: “O Rituximabe é uma droga segura, vem sendo utilizada há vários anos. Desde a sua introdução, como bem documentado em vários estudos, ela contribui significativamente para redução de mortes em pacientes que apresentam a patologia”, explica o hematologista e oncologista Daniel Tabak.

Um abaixo-assinado com mais de 60 mil assinaturas pede a liberação do remédio para esses pacientes. O governo já realizou uma consulta pública, recebeu a opinião da sociedade e de especialistas sobre o medicamento.

A comissão técnica que recomenda aprovação ou exclusão do remédio vai analisar essas informações e tomar uma decisão até junho. Se o remédio for aprovado, os pacientes terão que esperar mais seis meses para que a medicação seja comprada e disponibilizada no SUS.

Clarice Petramale, representante da Comissão Nacional de Incorporação de Novas Tecnologias, diz que o governo está seguindo o prazo previsto em lei: “Esse é mais um dos 170 medicamentos que nós avaliamos, tecnologias que nós avaliamos nesse ano. Eficácia é fundamental, ele tem que ter um benefício. A segurança é fundamental também. E o custo-efetividade, quer dizer, quanto custa, qual é o valor que implica nessa incorporação, porque nós temos que planejar compras e tudo mais”, acrescenta Clarice.

Para ver o vídeo da matéria, acesse -> g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/04/governo-avalia-se-amplia-ou-nao-distribuicao-de-remedio-contra-cancer.html

Fonte: Portal G1