Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Hospital inaugurou ala de atendimento oncológico em agosto de 2012



Pacientes de Belém e do interior do Pará que buscam tratamento oncológico têm uma nova alternativa desde agosto de 2012, buscar atendimento no Hospital Universitário Barros Barreto, na capital. O serviço da unidade de alta complexidade de oncologia da unidade de saúde, que atende mais de 200 pacientes atualmente, pode ser uma solução para desafogar a intensa procura por atendimento no hospital Ophir Loyola, referência no atendimento a pacientes com câncer em todo o estado.

No Barros Barreto, atendimento de quimioterapia, radioterapia e cirurgias são oferecidos aos pacientes. A direção diz que o serviço, que tem capacidade para atender mil casos novos por ano, está em expansão. “Temos um atendimento oncológico clínico, com quimioterapia, com 6.500 sessões por ano”, afirma o diretor do hospital, Eduardo Leitão. O serviço de oncologia da unidade faz parte do projeto de expansão do Instituto Nacional do Câncer.

O Ophir Loyola tem enfrentado uma situação complicada para atender a demanda de pacientes com câncer. Familiares madrugam e formam uma fila na frente do hospital em busca de atendimento. O mecânico Ananias Miranda precisou chegar às 3h para conseguir uma ficha e garantir uma consulta para a mãe, que tem câncer no pulmão. “Ela ficou em casa aí eu vim 3h para guardar lugar na fila para às 7h ela vir com a minha outra irmã para pegar ficha”, explica.

O hospital atende diariamente mais de 2.700 pessoas, 80% são pacientes do serviço de oncologia. Segundo a direção do hospital, todo atendimento deve ser agendado. Apenas duas fichas são distribuídas por dia para os pacientes que aguardam na fila.

“O ideal é que as pessoas seguissem o fluxo, ou seja, se marcassem a consulta pelo telefone, pela Sesma, ou se do interior através de sua secretaria municipal de saúde, eles entrariam em um sistema, através desse sistema as consultas seriam marcadas em um dia, data e hora, mas as pessoas não seguem o sistema, então cria essa dificuldade, vem cedo para a fila”, explica o diretor do Ophir Loyola, Vitor Moutinho.

Serviço:
Os telefones para marcação de consultas no hospital Ophir Loyola são (91) 3342-1387 e (91) 3342-1388.

Para ver o vídeo da matéria, acesse-> g1.globo.com/pa/para/noticia/2013/04/pacientes-com-cancer-tem-opcao-de-atendimento-no-barros-barreto.html

Fonte: Portal G1