Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Prefeito veta projeto que amplia vendas em bancas de jornal



O Diário Oficial desta quinta-feira (9/5) publicou o veto na íntegra do prefeito Fernando Haddad ao Projeto de Lei (PL) 562/2011, de autoria do presidente da Câmara, vereador José Américo (PT), que amplia a lista de produtos comercializados nas bancas de jornal da Capital.

Pelo projeto, a lista de produtos passaria a incluir bebidas não alcoólicas, doces e salgados industrializados, artigos eletrônicos, ferramentas de pequeno porte, entre outros. O PL foi aprovado em segunda votação no início de abril com apoio de todos os partidos da Casa e do Sindicato dos Vendedores de Jornais e Revistas de São Paulo (SINDJORSP).

Na justificativa, o Executivo alega que o Decreto 40.184/2000 já define a lista do que pode ser comercializado nestes estabelecimentos, e que o artigo 42, parágrafo 1º, da Lei Orgânica do Município prevê o veto “quando se trata de assunto inconstitucional ou contrário ao interesse público.”

Segundo o presidente José Américo, a Procuradoria da Câmara analisou o caso e divergiu da decisão tomada pelo prefeito. “Do ponto de vista jurídico, as ponderações apresentadas não se justificam nem deixam claro em que o projeto contraria a Constituição ou o interesse público”, disse Américo. ”Por isso, tão logo o Projeto de Lei retorne à Câmara, irei articular com os demais parlamentares uma possível derrubada deste veto.”

A última vez que a Câmara se articulou para derrubar um veto do Executo foi em 2010. Foi o PL 133/2003, de autoria do vereador Goulart (na época, do PMDB), que alterava o nome de um logradouro público.
Outro
 
O projeto 296/2010, de autoria do vereador Paulo Frange (PTB), também foi vetado pelo Executivo. O PL cria o Conselho Municipal para a Diminuição de Acidentes de Trânsito e Transporte, e também foi aprovado por unanimidade no plenário.

Frange questionou o Executivo e disse que não consegue ver qualquer ilegalidade no projeto, uma vez que o conselho proposto já existe em âmbito estadual.


Fonte: Portal da Câmara Municipal de São Paulo