Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Integrantes da Rede Mobilizadores opinam sobre financiamento do transporte público

 

 
Integrantes da Rede Mobilizadores opinam sobre financiamento do transporte público
 

Recentemente, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) publicou um estudo mostrando que o modelo de financiamento do transporte público se esgotou, na medida em que tem como principal fonte de financiamento  as passagens pagas pelos usuários. Como alternativa, o Instituto sugeriu a criação de uma taxa sobre combustível para veículos individuais, aumento do IPVA e cobrança de estacionamento e de pedágio em vias públicas.

Para saber o que pensam sobre a proposta do Ipea, a Rede Mobilizadores fez uma enquete entre seus integrantes, no período de 22 de julho a 04 de agosto, e a maioria (84,15%) discordou da sugestão feita pelo Instituto. Entre as alegações daqueles que desaprovam a proposta sobressaem o fato de a carga tributária no país já ser muito elevada e de os impostos arrecadados serem mal aplicados, o que não justificaria a majoração ou criação de novos tributos e taxas; e a questão de que o transporte público é um serviço essencial e que, para assegurá-lo, os governos deveriam ser mais eficientes na administração de seus gastos.

Os mobilizadores contrários à proposta também alegaram a falta de qualidade do transporte público, o que levaria as pessoas a utilizar os veículos particulares; o fato de as empresas de ônibus já receberem diversos subsídios e oferecerem um serviço ruim; e a questão de que a elevação de impostos e a criação de novas taxas contribuem apenas para que as pessoas com menor poder aquisitivo fiquem impossibilitadas de se locomover de carro.

Alguns integrantes da rede destacaram ainda que, para resolver a questão do transporte público, é preciso uma fiscalização efetiva dos gastos públicos em transporte, controle das planilhas de custo das empresas de ônibus e criação de políticas de mobilidade urbana.

Fonte: Coep Nacional
coepbrasil.org.br/portal/Publico/apresentarConteudo.aspx?CODIGO=C201387102719930&TIPO_ID=1
--
 Flavia Loureiro - Núcleo dos Amigos do Brooklin
"INFORMAÇÃO" Direito e Dever de tod@s Art.5ºXIV,CRFB/Cap.40 Agenda 21