Informamos a todos, que as postagens inseridas neste blog, são de autoria de seus respectivos produtores, e,
cabe a cada um deles a responsabilidade pela autoria dos itens, bem como o teor de seu conteúdo.

Como veículo de divulgação de informação, temos a responsabilidade de divulgar os itens,
tal qual o que é remetido à nossa assessoria de imprensa.


WhatsApp 11 972914716

Qualquer contato conosco deverá ser efetuado através do "Formulário de Contato", disponível no final desta página (rodapé).

Rede Mobilizadores promove oficina online sobre agricultura urbana - insc. até 19.08 - Governo e movimentos sociais do campo discutem políticas para difusão de agroecologia


 
 



Nota: É necessário se cadastrar no site.
13 de agosto de 2013
Rede Mobilizadores promove oficina
online sobre agricultura urbana

De acordo com projeções de especialistas, cerca de 80% da população mundial viverá nas cidades até 2030. Diante deste cenário, a ideia de produzir alimentos nos grandes centros de consumo vem sendo uma tendência mundial, podendo representar não só uma forma de garantir a segurança alimentar das populações, como também um campo de oportunidades para novos modelos de negócio e estímulo ao consumo consciente.

Mas em que locais é possível praticar a agricultura urbana? Em que ela difere da agricultura convencional, realizada no campo? De onde retirar os nutrientes para que ela seja, de fato, produtiva? Como ela pode contribuir para a destinação correta de resíduos orgânicos e para o estímulo ao consumo consciente? Qual o papel da agroecologia neste tipo de agricultura? Estas e outras questões estarão em pauta na oficina online Agricultura Urbana, que a Rede Mobilizadores Coep realiza de 19 a 23 de agosto no site mobilizadores.org.br.

Para facilitar a oficina, a rede convidou o engenheiro agrônomo Marcos José de Abreu, presidente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional de Santa Catarina (Consea-SC) e coordenador do eixo urbano do Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo (Cepagro).

Marcos José coordenou a implantação do projeto A Revolução dos Baldinhos , numa comunidade de baixa renda de Florianópolis. A iniciativa, baseada na gestão comunitária de resíduos e na produção de fertilizante natural, viabiliza o plantio de alimentos por meio da agricultura urbana e vem transformando a realidade local.

Para Marcos José, o projeto traz diversos benefícios para a comunidade. Ao plantarem parte de seus alimentos, os moradores poupam dinheiro. Sem lixo nas ruas e com verduras frescas na mesa, há também melhoria na saúde das pessoas , explica, acrescentando que a iniciativa pode ser facilmente replicada.

As inscrições podem ser feitas de 13 a 19 de agosto, gratuitamente, no site mobilizadores.org.br. As vagas são limitadas. Todos os que participarem do minifórum da oficina receberão certificado.

A oficina tem apoio do Banco do Brasil, Fundação Banco do Brasil e Eletronuclear.

Mais informações: (21) 2528-3352.

Fonte: Coep Nacional

13 de agosto de 2013

Governo e movimentos sociais do campo discutem
políticas para difusão de agroecologia

O Estado como articulador de um modelo de produção agrícola agroecológico que não seja um simples nicho de mercado, mas uma forma de sustentar as necessidades por alimentos das populações urbana e rural, com comércio justo, participação popular, boas condições de trabalho e em harmonia com a natureza. Essas foram algumas bases do debate promovido em Maringá (PR), durante a 12ª edição da Jornada de Agroecologia, que reuniu cerca de 3,5 mil agricultores.

O ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência da República, reiterou que a produção agroecológica deve deixar de ser um nicho só da classe média, "pois todos os brasileiros têm direito a alimentos saudáveis". Carvalho anunciou que está previsto para o mês de setembro o lançamento, da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Pnapo), que ocorrerá na Paraíba, com a presença da presidenta Dilma Rousseff. Ele assegurou que não faltarão recursos do Governo Federal para a transição agroecológica.

Para o secretário da Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Valter Bianchini, houve um grande avanço na difusão da agroecologia, a partir da criação da Pnapo, instituída pelo governo federal por meio do decreto 7.794, de 20 de agosto de 2012.  "Agora, precisamos articular as diversas políticas públicas existentes, com a criação do Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica, para ampliar os mercados e adequar o marco regulatório dos créditos agrícolas, como o Pronaf, para o sistema de produção agroecológico, de forma a atender até 100 mil agricultores até 2014", disse Bianchini.

O plano foi elaborado pela sociedade civil e pelo governo, com dez ministérios participando da construção da política. O plano terá 134 iniciativas e 14 metas, em quatro eixos: produção; uso e conservação de recursos naturais; conhecimento; e comercialização e consumo.

A reforma agrária terá uma importante função no plano, com a incorporação da matriz agroecológica de produção nos projetos de assentamento do país. Para o diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), César Aldrighi, a autarquia está atuando para ampliar a prestação de serviços de assistência técnica com ênfase em agroecologia, em consonância com o Pnapo. "Abrimos uma chamada exclusiva para atender culturas extrativistas na Amazônia, com investimentos de R$ 50 milhões no Acre e no Pará", disse o diretor. De acordo com Aldrighi, o orçamento do Incra para investimentos em assistência técnica subiu 38% em relação ao ano passado, com investimentos de R$ 314 milhões (em 2012 havia sido de R$ 227 milhões).

Somente no Paraná, o investimento do Governo Federal em serviços de assistência técnica em assentamentos é de R$ 21,8 milhões em 2013. "Com esses recursos, vamos universalizar o acesso dos assentados à assistência técnica com qualidade, baseada nos conceitos da agroecologia. Já temos todos os elementos necessários para avançar na busca da sustentabilidade ambiental e econômica nos assentamentos. O momento é único e o cenário é muito bom para o desenvolvimento pleno dos assentados", disse o superintendente do Incra no Paraná, Nilton Bezerra Guedes, que fez uma análise da atuação da autarquia desde a sua criação, no ano de 1970 até os dias atuais, aos presentes na Jornada de Agroecologia. "A linha do desenvolvimento da produção agrícola nos assentamentos é recente, tanto que serão investidos mais de R$ 102 milhões em 70 cooperativas nos assentamentos, por meio do programa Terra Forte, lançado aqui no Paraná", explicou Guedes.

Na área ambiental, a representante do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e ex-superintendente do Incra/PR, Claudia Sonda, falou sobre o potencial de recuperação e conservação ambiental nos assentamentos. "Os assentamentos estão em áreas estratégicas para conservação da biodiversidade no Paraná e a reforma agrária tem um grande potencial para contribuir no processo de recuperação ambiental", disse Claudia.

Pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Arnoldo Campos apresentou as políticas de promoção da soberania alimentar e agroecologia. "A reforma agrária é necessária para assegurarmos a segurança alimentar. Temos um grande desafio que é organizar a produção para que mais brasileiros tenham acesso à alimentação de qualidade, com os produtos agroecológicos", observou o secretário.

O evento, que foi realizado entre os dias 7 e 10 de agosto, teve o apoio do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Fonte: Ministério do Desenvolvimento Agrário


--
 Flavia Loureiro - Núcleo dos Amigos do Brooklin
"INFORMAÇÃO" Direito e Dever de tod@s Art.5ºXIV,CRFB/Cap.40 Agenda 21